sábado, 22 de abril de 2023

Confirmado? 14º salário do INSS pode pagar até R$ 2.604 por beneficiário; Veja detalhes


 
Foto: Reprodução
Os segurados do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) são um grupo que às vezes é esquecido pelo governo federal. Durante a pandemia de Covid-19, uma das poucas medidas destinadas a aposentados e pensionistas foi a expectativa do 13º salário para o primeiro semestre, como costuma ser divulgado no final do ano.

Leia mais: “Inútil”: Proibição de aparelhos pela Anatel irrita internautas

Apesar de ajudar cerca de 36 milhões de pessoas em tempos de crise, essa decisão também causou alguma polêmica. Isso ocorreu porque esses cidadãos eram financeiramente impotentes perto do Natal, e eles geralmente dependiam da gratificação de Natal para arcar com os custos.

Para remediar a situação, o tenente Pompeo de Matos apresentou um projeto de lei que prevê a criação do 14º salário do INSS. A proposta era liberar até duas partes do salário mínimo para segurados autossuficientes.

 

14º salário do INSS
Se for aprovado agora, cada beneficiário que receber o salário mínimo terá direito a R$ 1.302 adicionais para contar no final do ano. Em outros casos, o pagamento terá um limite de dois andares do país, ou atualmente R$ 2.604, conforme estipulado na proposta.




O problema é que o projeto de lei foi apresentado em agosto de 2020, quando a pandemia estava no auge. Com o passar do tempo, o 14º salário vem perdendo força e apoio na Câmara dos Deputados, e desde agosto de 2022, não se viram novos movimentos.

A coisa mais próxima de uma votação foi no ano passado, mas o presidente da Câmara dos Comuns, Arthur Lira, submeteu um texto à análise do Comitê Seleto. Portanto, todas as aprovações que ele já havia recebido foram descartadas.

A possibilidade de aprovação ainda existe?
Mesmo com a reviravolta, muitos aposentados e pensionistas ainda acreditavam na aprovação do 14º salário, mas essa esperança acabou. Em entrevista recente, o ministro da Previdência, Carlos Lupi, sinalizou que os benefícios não seriam liberados.

“O dia 14 é mais difícil, porque é um peso muito alto, não consigo agarrar os céus com as mãos. Tenho uma realidade muito difícil. Não podemos fazer tudo ao mesmo tempo porque senão o Governo não aguenta”, disse depois de considerar a criação de um 13.º salário para o BPC (Benefícios de Prestações Continuadas).

Dado o discurso do ministro, podemos dizer que a probabilidade de um subsídio extra sair do papel é praticamente zero.

Nenhum comentário:

Postar um comentário