sábado, 24 de dezembro de 2022

Programa BOLSA FAMÍLIA 2023: saíram as regras e processo de inscrição?


 
Foto: Reprodução
O Bolsa Família 2023 está cheio de novidades. O retorno do programa fortalece um novo marco social para o terceiro mandato do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva. 
Declaração
Depois de entrar em vigor por 18 anos, em outubro de 2021, o Bolsa Família 2023 foi extinto para dar lugar ao The Brazil Aid.
 

Lula, o criador do antigo programa social, não estava nada satisfeito com os rumos do futuro social, razão pela qual está comprometido com o retorno do programa.
 

 

O Bolsa Família 2023 está detalhado na proposta de alteração da Constituição Transitória (PEC). A versão final do texto já foi entregue ao Senado federal, aguardando apreciação antes da votação do Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) em 16 de dezembro.  

 

Declaração

 

A apreciação do texto levanta especulações sobre alguns detalhes do programa. Afinal, quais são as regras do Bolsa Família 2023? Como será o processo de registro? Confira abaixo. 

 

Regulamento do Bolsa Família 2023

A transição da PEC organiza os poucos detalhes já revelados sobre o futuro do Bolsa Família 2023, em especial, o orçamento. Em troca, Lula pretende cumprir sua promessa de pagar um subsídio fixo de R$ 600, além de um bônus de R$ 150 para crianças de até seis anos de idade.  

 

Apesar das discussões em curso sobre o retorno do Bolsa Família 2023, nenhuma informação oficial sobre as regras do programa foi compartilhada. Acredita-se que os detalhes só são feitos se o projeto que regulamenta a transferência de renda for aprovado.

 

É claro que o Bolsa Família 2023 será voltado para a população brasileira em situação de vulnerabilidade social. Ao contrário do Auxílio Brasil, o futuro programa social visa reavivar algumas condições, como a manutenção de uma boa frequência escolar e uma carteira de vacinação atualizada.
 

 

Depois de perceber o interesse do governo Lula em reavivar muitas das antigas características do antigo programa, acredita-se que ainda exista a tendência em relação às regras para a concessão da vantagem.  

 

Principais mudanças no Bolsa Família 2023

Veja as principais mudanças relacionadas ao Bolsa Família em relação à ajuda brasileira no ano que vem, que já deve ser estabelecida no primeiro semestre do governo Lula:

 

Declaração

 

Mudar o nome do programa de “Auxílio Brasil” para “Bolsa Família”, título usado pelo governo Lula na criação do direito;
Efetuar o pagamento do prêmio R$ 600 permanentemente a partir de janeiro de 2023;
Defina a linha reta de R$ 600 e R$ 150 adicionais por família com criança de até 6 anos. Famílias com até dois filhos nessa exigência receberão R$ 150 por criança;
exige, como critério para receber o direito, a atualização do cartão de vacinação;
Exigir, como critério para o recebimento de habilitação, comprovante de matrícula escolar (no caso de famílias com filhos).
 
Além disso:

 

Haverá acompanhamento pré-natal para gestantes.
Haverá acompanhamento das ações sociais e educativas das crianças em situação de trabalho infantil;
As mães que amamentam também serão acompanhadas.
 
Como ser incluído no Bolsa Família 2023?

O futuro governo Lula ainda não divulgou detalhes sobre como listar no Bolsa Família 2023. No entanto, acredita-se que na preservação do registro individual (CadÚnico) como porta de entrada para o programa social.
Declaração

 

O CadÚnico é um banco de dados que coleta informações da população de baixa renda do Brasil e agora está disponível em formato digital por meio do site ou aplicativo. Para ser incluído no Bolsa Família em 2023, é necessário estar cadastrado no sistema com dados atualizados e ativos.
 


Uma família que deseje se cadastrar no CadÚnico deve fornecer uma renda mensal de até metade do salário-mínimo por pessoa, ou seja, R$ 606,00 ou três salários-mínimos como renda familiar, R$ 3.636,00. 

 
Caso o grupo familiar atenda às condições exigidas, basta procurar o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) mais próximo, localizado no município onde você mora. Vale ressaltar que é muito comum ter mais de uma unidade espalhada pela cidade, com o objetivo de atender melhor cada área.  
 

Declaração


Para se inscrever no CadÚnico você precisa:
 

Peça a alguém responsável pela família que responda às perguntas de registro. Essa pessoa deve fazer parte da família, morar na mesma casa e ter pelo menos 16 anos de idade.
Para o responsável pelo domicílio, de preferência uma mulher, é necessário um CPF ou sobrenome do eleitor.
Exceção: No caso do administrador das famílias dos povos indígenas e Quilumbulas, qualquer um dos documentos pode ser apresentado abaixo. Não precisa ser um número de previdência social do eleitor ou um título de eleitor.
 
Além disso, é necessário fornecer pelo menos um dos seguintes documentos de todos os membros da família: 

 

Certidão de nascimento;
Certidão de casamento;
CPF.
Carteira de identidade (RG);
Certidão Administrativa de Nascimento Indígena (RANI);
Cartão de visita
O apelido do eleitor;


Com informações do site: redebrasilnews

Nenhum comentário:

Postar um comentário