terça-feira, 13 de setembro de 2022

Dívida ‘caduca’ depois de 5 anos? Veja os Mito e verdade e tire suas dúvida


 


Foto: Reprodução

A alegação de que uma dívida "expira" ou prescreve assim que completa cinco anos circula há anos. A premissa é verdadeira: uma dívida atrasada prescreve após esse período. No entanto, algumas inverdades podem ser ditas e causar confusão na cabeça das pessoas.

Faça algumas perguntas logo abaixo e não caia mais em notícias falsas!


1. Se minha dívida prescreveu, não preciso mais pagá-la?

A resposta é não. Mesmo dívidas que prescrevem ou expiram devem ser pagas. Além disso, após completar cinco anos, os atrasos continuam existindo e acumulando juros.


A única coisa que muda é que o nome do devedor está "limpo" novamente e deixa de aparecer nas listas de inadimplência de órgãos de proteção ao crédito, como SPC e Serasa.



2. Assim que a dívida expira, ela para de interromper o score de crédito?

A resposta é sim. Dívidas em atraso há cinco anos ou mais não aparecem mais nos serviços de proteção ao crédito e também não interferem mais no score de crédito do Serasa.



3. Eu tenho uma dívida prescrita, pode dificultar um pedido de financiamento?

A resposta é sim. Isso porque as instituições bancárias dependem de suas próprias listas de dados de clientes. Eles são fornecidos pelo Banco Central (BC) e fornecem dados do Sistema de Informações de Crédito (SCR). Portanto, antes de solicitar financiamento, por exemplo, é importante resolver qualquer pendência antes, mesmo que tenha expirado.


4. Após o vencimento da dívida, o banco ainda pode cobrar mais do devedor?

A resposta é sim. Como mencionado acima, após cinco anos, a dívida simplesmente não é visível no banco de dados do SPC ou Serasa. No entanto, ele continua existindo e pode ser cobrado pela instituição ou banco responsável.



Mas tenha cuidado: o banco pode cobrar a dívida após cinco anos, porém, perde o direito de acionar legalmente o devedor.



Com informações do site: Rede Brasil News

Nenhum comentário:

Postar um comentário