segunda-feira, 8 de agosto de 2022

Margem do consignado MUDOU para aposentados e pensionistas: Até quanto posso pedir de empréstimo?


 


Foto: Reprodução

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), sancionou um Projeto de Lei (PL) que aumenta a margem de comprometimento da renda de aposentados e pensionistas para adquirir crédito consignado. Com a mudança, esse grupo de beneficiários poderá utilizar mais que o valor estipulado anteriormente para a contratação do serviço de crédito.

Quer saber qual o valor da mudança e outros detalhes importantes nova a nova PL? Então continue nos acompanhando e não perca nada sobre o tema!

Entenda o que mudou na margem do consignado
Hoje em dia, a margem gira em torno de 35% somente para financiamentos e empréstimos. Contudo, a PL prevê o aumento do consignado para duas situações: crédito consignado e cartão de crédito consignado, em que ambos possuem uma margem de 5%. Com a medida, beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) poderão comprometer até 45% do valor de sua aposentadoria.

Dito isso, será uma escolha dos bancos adotar o novo modelo proposto pelo presidente ou continuar com os 35% de margem padrão para modalidades de crédito diferentes. Instituições como a Caixa e o Banco do Brasil já se manifestaram e, de acordo com os bancos, a proposta está em processo de avaliação. Em contrapartida, outros bancos seguem resistentes a ela.

Ademais, o INSS lançou um alerta para que os beneficiários aumentem os cuidados com seus extratos para evitar caírem em golpes. Isso porque, com o reajuste da margem, golpistas podem se aproveitar ainda mais para fraudar empréstimos sem o consentimento dos beneficiários, como já acontece há tempos.

emissão de um comunicado. Segundo a entidade, o comprometimento da renda nessa porcentagem poderá aumentar o endividamento de famílias mais pobres.

Ainda de acordo com o instituto, já há 77% de famílias brasileiras endividadas no país, a maioria delas justamente por recorrer ao crédito consignado. Outra preocupação é o aumento dos juros que, somados às parcelas, têm a capacidade de comprometer mais do que a metade da renda dos beneficiários. Portanto, a medida pode ser vista como imprópria para o momento, especialmente com a alta na inflação que já tem prejudicado muitas famílias brasileiras.


Com informações do site: pronatecNicole Ribeiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário