sexta-feira, 15 de julho de 2022

INSS aprova adicional de 25% nos seus salários; saiba quem será contemplado


 


Foto: Reprodução


Segurados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) têm a oportunidade de elevar o valor dos salários através de um adicional de 25%. A medida é prevista em lei e praticada pela Previdência Social a quem se enquadrar nas regras.

O aumento nos salários com o adicional de 25% é destinado exclusivamente aos aposentados por invalidez. Mas não basta receber este modelo de benefício, é importante se atentar a algumas particularidades. Este segurado precisa contar com o auxílio de terceiros para exercer atividades da rotina diária. 

Não há restrições quanto ao personagem que prestará este apoio, podendo ser desde um profissional, a um amigo ou familiar. Em todo caso ele precisa auxiliar em atividades básicas, como alimentação, banho, garantir que eventuais medicamentos sejam tomados no horário e em quantidade adequada, etc.  Entenda todos os detalhes do adicional de 25% abaixo!

Quando o adicional de 25% pode ser pago?

O adicional de 25% é direcionado ao beneficiário que se encontra incapaz de exercer a atividade profissional, seja devido a um acidente ou doença. Observe algumas circunstâncias que dão direito ao aumento no valor do benefício pago pelo INSS:

Cegueira total;
Perda dos nove dedos ou mais das mãos;
Paralisia dos dois braços ou pernas;
Perda das pernas, na hipótese em que a prótese for impossível;
Perda de uma das mãos e dos dois pés, mesmo que a prótese seja possível;
Perda de um braço e de uma perna, na hipótese em que a prótese for impossível;
Alteração das faculdades mentais com grave perturbação da vida orgânica e social; 
Doença que tenha deixado o segurado acamado;
Incapacidade permanente para as atividades da vida diária.
Como é calculado o adicional de 25% do INSS?

O cálculo do adicional de 25% do INSS é baseado na renda mensal paga pelo instituto ao segurado. Por exemplo, se ele recebe benefícios no valor equivalente ao piso nacional, ou seja, R$ 1.212,00, o aumento será de R$ 303,00 mensais, totalizando em R$ 1.515,00.

Vale ressaltar que o acréscimo também é válido para o segurado que recebe o teto do INSS, que é de R$ 7.087,22. Neste caso, com o adicional de 25% o aposentado passaria a receber mensalmente a quantia de R$ 8.859,02.

O mesmo adicional também é aplicado no pagamento do 13º salário do INSS. Contudo, se tratando de pensão, o dependente recebe apenas o valor base do benefício, tendo em vista a morte do segurado que era o motivo principal que gerava a necessidade deste valor. 

Como aumentar o salário do INSS sem o adicional de 25%

Como pôde ser observado, o adicional de 25% do INSS possui algumas limitações. Entretanto, o segurado da autarquia deve saber que esta não é a única maneira de elevar o valor do benefício. Confira algumas alternativas a seguir:

Reajuste anual do INSS

Outra alternativa bastante conhecida para aumentar o salário da aposentadoria do INSS é o reajuste anual do piso nacional. Todos os anos o Governo Federal atualiza o salário mínimo com base na inflação no decorrer do ano.

Em 2022, o piso nacional é de R$ 1.212, ou seja, o mínimo a ser pago no salário das aposentadorias do INSS. Além do mais, este é o valor fixo de benefícios como o BPC, auxílio-doença, acidente e maternidade. 

Vale ressaltar que o reajuste anual do salário mínimo também afeta o teto do INSS, que é a quantia máxima que pode ser custeada pelo instituto a cada segurado. Em 2022, o teto do INSS passou a ser de R$ 7.087,22.

Revisão da vida toda do INSS

A revisão da vida toda, também denominada de revisão da vida inteira, é o modelo mais conhecido entre os segurados do INSS. Este procedimento consiste na inclusão do cálculo de concessão da aposentadoria, todos os períodos de contribuições ao INSS, até mesmo os mais antigos, fáceis de serem esquecidos. 

Neste sentido, a revisão da vida toda foi implementada pelo Poder Judiciário no intuito de permitir que os trabalhadores com salários altos antes de 1994, recebam os devidos valores.

Portanto, os segurados do INSS que começaram a recolher as contribuições após este período, bem como os que foram afetados pela redução no salário da aposentadoria também depois de 1994, estão autorizados a solicitar a revisão. 

Vale ressaltar que existem outros modelos de revisão do INSS, ao todo são seis. A lista é composta da seguinte maneira: 

Revisão do teto; 
Revisão de fato/revisão após ação trabalhista; 
Revisão do buraco negro; 
Revisão do buraco verde; 
Revisão da vida toda/revisão da vida inteira; 
Revisão da melhor data de início do benefício. 

Com informações do site: FDR

Nenhum comentário:

Postar um comentário