quarta-feira, 13 de julho de 2022

Cresce o numero de pessoas usando seu CPF por terceiros. Veja como descobrir.


 


Foto: Reprodução
Com o aumento do número de golpes e vazamentos de dados, muitas pessoas só descobrem que estão com o nome sujo quando recebem um comunicado da empresa credora ou na hora de realizar um empréstimo. Mas é possível se prevenir e checar regularmente se alguém está usando seu CPF indevidamente por meio do Registrato, uma plataforma gratuita do Banco Central.
Desde 2014 a ferramenta tem facilitado o acesso dos cidadãos a dados pessoais mantidos em cadastros administrados pelo BC. Somente em 2021, foram emitidos 7,6 milhões de relatórios, sendo que, no ano anterior, esse número não passou de 3 milhões. 


De acordo com o órgão, as consultas têm aumentado, principalmente, por causa da inclusão de novos tipos de relatório no sistema, como chaves Pix, cheques sem fundos e cadastros de inadimplentes com o governo federal. 
Para fazer a consulta, basta realizar um cadastro no site do Registrato. Qualquer pessoa consegue verificar se o CPF está sendo usado para abrir contas ou se há suspeitas em insituições financeiras que possam acender o alerta de possíveis fraudes.
Além disso, é possível ver informações sobre financiamentos e cheques devolvidos, verificar as chaves PIX cadastradas em seu nome e dados sobre operações de câmbio e transferências internacionais. 


O comerciante Rodrigo Alvarez não conhecia o Registrato e não usava nenhuma alternativa como prevenção. Por isso, não conseguiu evitar dores de cabeça por ter o nome negativado por uma dívida que não era dele. "Só fui descobrir que estavam usando meu CPF depois que eu recebi um comunicado da Serasa por e-mail. Isso me causou muitos prejuízos, inclusive quando fui tentar fazer um empréstimo para fazer a matrícula da minha filha no ano passado e não consegui", conta. 

Para não ser pego de surpresa como o Rodrigo, há ainda outra opção além da ferramenta do BC. É possível checar se o nome está sujo nas plataformas da Serasa e do SPC Brasil. O serviço gratuito de consulta ao CPF é oferecido por meio de aplicativo — disponível no Google Play ou na App Store — e indica qualquer dívida que tenha sido registrada, restrições em seu nome, protestos em cartório, ações judiciais ou problema na situação cadastral. 


Fui vítima de fraude. E agora?

Ao perceber consultas suspeitas no CPF, o primeiro passo é procurar a empresa que forneceu algum crédito em seu nome e, em seguida, a instituição financeira, para alertar sobre esse uso indevido. 

Além disso, a Serasa orienta que é preciso tomar alguns cuidados com o próprio número do CPF, como evitar confirmar dados por telefone e fornecê-los em formulários nos quais esse tipo de informação não seja obrigatória.
Outra dica importante é não permitir que funcionários de lojas usem documentos sem que você esteja presente. Vale ressaltar que, se o seu documento for perdido ou roubado, é recomendado fazer um boletim de ocorrência para evitar possíveis fraudes, juntando provas sobre o golpe, como as consultas suspeitas. 

Depois disso, o processo será aberto sobre a fraude, e a empresa credora deverá cancelar o empréstimo e resolver o caso sem causar dano ao consumidor. 



Mas, se mesmo depois do registro a empresa se recusar a desfazer a operação, caberá ao consumidor procurar o Procon ou ajuizar uma ação judicial para pedir ressarcimento dos prejuízos causados. 


Com informações do site: Rede BrasilRede Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário