sábado, 15 de janeiro de 2022

Auxílio Emergencial 2022: pagamentos já começaram; confira regras e quem pode receber


 
Foto: Reprodução

O auxílio emergencial não acabou definitivamente. Uma nova rodada começou a ser liberada nesta semana, mas somente a um público específico. Trata-se dos pais solteiros chefes de famílias monoparentais. 

É isso mesmo, você não leu errado. Desta vez, os contemplados pelo benefício não serão as mães solteiras, e sim os pais. Isso porque, este grupo ficou desassistido parcial ou totalmente pelo auxílio emergencial nas rodadas anteriores. 

Ainda ontem, o presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Pedro Guimarães, afirmou que os pais solteiros já começariam a receber o auxílio emergencial retroativo em 2022 nos próximos dias. A concessão tem o objetivo de reparar os cinco meses originais de liberação em 2020, ou seja, de abril a agosto. 

A Caixa conseguiu identificar 823,4 mil homens aptos a receberem parcelas únicas que podem variar entre R$ 600 a R$ 3 mil. A quantia máxima equivale aos cinco meses mencionados. Foi feito um investimento de R$ 4,1 bilhões liberados através da edição de uma medida provisória em dezembro do ano passado.

Como o auxílio emergencial de 2022 será pago?

Os valores já podem ser movimentados através da conta poupança social digital do Caixa Tem. A plataforma foi criada no primeiro semestre de 2020 justamente para viabilizar e promover a unificação do auxílio emergencial em 2020, que até então era liberado diretamente nas agências bancárias, casas lotéricas e correspondentes, gerando aglomerações em meio ao ápice da pandemia da Covid-19.  

O aplicativo é bastante parecido com o de uma conta corrente em banco convencional, por ele, é possível realizar uma série de transações com o auxílio de ferramentas e serviços completos e sem a cobrança de nenhuma taxa.

A plataforma autoriza transações no valor máximo de R$ 600, se limitando a um total de R$ 1.200 por dia. No período mensal o cliente do Caixa Tem pode movimentar até R$ 5 mil. No Caixa Tem é possível:

Pagar boletos online; 
Realizar pagamentos na Casa Lotérica; 
Fazer recarga de telefone celular vinculado a qualquer operadora; 
Contratar o Seguro Apoio Família; 
Obter dicas financeiras; 
Realizar compras online com o cartão de débito virtual;
Realizar compras presenciais mediante a leitura do QR Code emitido pela máquina de cartão do estabelecimento comercial;
Informar os rendimentos de pessoa física; 
Consultar o Número de Identificação Social (NIS); 
Consultar o Bolsa Família;
Receber o Seguro Desemprego; 
Fazer transferências via TED e DOC;
Fazer transferências e efetuar pagamentos com a chave PIX; 
Consultar o extrato de movimentação da conta poupança.
Auxílio Emergencial de 2020

A pandemia da Covid-19 chegou ao Brasil em meados de março de 2020 e, logo de cara, já causou impactos notórios e expressivos para a população. No mês seguinte, o Governo Federal começou a liberar os pagamentos do auxílio emergencial que seguiu até dezembro de 2020. 

A princípio, o auxílio emergencial de 2020 pagou cinco parcelas de R$ 600 para a população geral e R$ 1.200 para as mães solteiras chefes de famílias monoparentais. De imediato o programa foi prorrogado até o mês de dezembro, mas com parcelas reduzidas a R$ 300 e R$ 600, respectivamente. 

Auxílio Emergencial de 2021

Com o fim do auxílio emergencial em 2020, muitos brasileiros ficaram ansiosos e preocupados sobre a renovação do programa em 2021. Após uma espera que pareceu uma eternidade, o benefício voltou a ser pago também no mês de abril.

A princípio, a rodada atual tinha apenas quatro parcelas entre abril e julho, mas diante do clamor da população e de líderes partidários, a renovação mais três parcelas que se encerraram em outubro. 

A particularidade na oferta do auxílio emergencial em 2021 se refere ao valor pago pelo governo. Melhor dizendo, valores. Isso porque, não foi fixada uma quantia única, e sim parcelas de R$ 150, R$ 250 e R$ 375. Cada valor foi concedido de acordo com o perfil dos beneficiários da seguinte forma:

R$ 150 para quem mora sozinho;
R$ 250 para os representantes de grupos familiares;
R$ 375 para as mães solteiras chefes de famílias monoparentais. 

Com informações do site:  expressodosertao