sábado, 20 de novembro de 2021

Auxílio Brasil: Erros no CadÚnico podem bloquear o benefício de R$ 400


 
Foto: Reprodução

A expectativa para o recebimento do Auxílio Brasil tem tomado conta de milhões de brasileiros que precisam estar em dia com o Cadastro Único (CadÚnico) para receber o benefício.

O Auxílio Brasil, que vai substituir o programa social Bolsa Família, vai começar a ser pago agora no dia 17 de novembro, quarta-feira. Apesar disso, a informação do governo federal é de que novas vagas para o programa só serão abertas em dezembro.

Isso porque o governo federal depende da aprovação de mais recursos. Só assim vai ser possível ampliar o programa social para mais famílias brasileiras.

Auxílio Brasil exige CadÚnico em dia
Primeiramente, para receber o benefício do Auxílio Brasil, todas as famílias interessadas precisam ter o registro no CadÚnico, ou seja, é por meio dele que o benefício é garantido para os milhões de brasileiros que se encaixam nas regras do programa.

A orientação do governo federal é para que todas as informações no CadÚnico estejam corretas, sem inconsistências. Nesse sentido, qualquer erro no cadastro pode bloquear o benefício do Auxílio Brasil.

De acordo com o governo federal, todas as informações precisam ser atualizadas no máximo a cada dois anos. Caso contrário, qualquer falha encontrada no registro das famílias durante a revisão dos cadastros pode prejudicar o recebimento do Auxílio Brasil.

Dessa forma, qualquer mudança na realidade da família precisa ser registrada. Por exemplo, renda, endereço, nascimentos e mortes, assim como desemprego. Ou seja, toda mudança familiar precisa ser registrada no CadÚnico para receber o Auxílio Brasil e tantos outros benefícios sociais federais.

Com o pagamento do Auxílio Brasil começando nesta quarta-feira, os primeiros a receber são os que já contam com o auxílio do Bolsa Família. Para que mais famílias sejam atendidas pelo Auxílio Brasil, o governo federal depende da aprovação da PEC dos Precatórios.

A previsão inicial é pagar pelo menos R$ 400 para mais de 17 milhões de brasileiros.

Com informações do site: Capitalist