sexta-feira, 19 de novembro de 2021

Auxílio Brasil deve beneficiar 2,5 milhões de famílias a mais que o Bolsa Família


 
Foto: Reprodução

Famílias em extrema pobreza, ou seja, com renda mensal até R$ 100 por pessoa e em situação de pobreza, com até R$ 200 por pessoa, podem se candidatar a receber o benefício. O auxílio está dividido em três benefícios básicos e seis suplementares que podem ser adicionados de acordo com cada particularidade.

Entre os básicos estão: o benefício da primeira infância, que garantirá R$ 130 reais por criança para famílias com crianças de até 3 anos incompletos e com um limite de 5 benefícios por família; o benefício da composição familiar, para famílias com gestantes, pessoas de 3 a 17 anos ou 18 a 21 matriculados na educação básica que terão R$ 65 por pessoa, também tendo limite de 5 benefícios e o de superação da extrema pobreza, que será pago se, após a soma dos outros, a renda mensal per capita continuar abaixo de 100 reais.

Com as condições suplementares podem ser adicionados o auxílio esporte escolar, que garante R$ 100 para o estudante de 12 a 17 anos que se destaque nos Jogos Escolares Brasileiros; a bolsa de iniciação científica júnior, destinada a estudantes com desempenho satisfatório em competições acadêmicas; o auxílio criança cidadã, para responsáveis com crianças de até quatro anos que consigam fonte de renda, mas não encontrem vaga em creches públicas ou privadas; o auxílio inclusão produtiva rural, concedido às famílias que contenham agricultores; o auxílio inclusão produtiva urbana, para aqueles que comprovarem vínculo empregatício com carteira assinada e o benefício compensatório de transição, destinado às famílias que recebiam o Bolsa Família e tiveram perdas durante o processo de migração para o Auxílio Brasil. É válido ressaltar que todos os benefícios suplementares só serão concedidos às famílias participantes do novo programa do governo.

Para permanecer no programa é necessário cumprir alguns requisitos como frequência escolar mensal mínima de 60% para crianças de 4 e 5 anos de idade e de 75% para estudantes de 6 a 21 anos. Além do cumprimento do calendário nacional de vacinação, o acompanhamento nutricional de crianças até 7 anos e a realização do pré-natal para as gestantes.

O novo programa utilizará os cadastros do Bolsa Família e do Cadastro Único para realização das inscrições. Quem ainda não está no CadÚnico pode fazer a inscrição no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS). Também é importante evidenciar que os beneficiários que conseguirem aumentar a renda familiar per capita para até R$ 500 por pessoa, poderão continuar no programa por mais 24 meses e, em caso de perda de emprego, a família poderá retornar ao programa sem enfrentar filas.

Todos os beneficiários do Bolsa Família devem receber o Auxílio Brasil em novembro, porém, novos cadastros não deverão ser beneficiados este mês. A concessão poderá ser consultada no antigo aplicativo do Bolsa Família ou pela Central de Relacionamento do Ministério da Cidadania no telefone 121.

Com informações do site: O Estado