quarta-feira, 27 de outubro de 2021

Por que o preço da gasolina subiu e pode aumentar ainda mais?


Foto: Reprodução
O preço médio da gasolina no Brasil subiu mais uma vez e tem crescido muito ao longo dos últimos anos; são mais de  70% só em 2021. A previsão é de que o combustível tenha um novos aumentos nos próximos meses.

A partir desta terça-feira, dia 26 de outubro, a Petrobras cobrará R$ 3,19 por litro, resultado do segundo reajuste no preço do combustível somente neste mês. Em alguns lugares do país, o litro do combustível chega a custar mais de R$ 7.

Mas por que o preço da gasolina subiu?
Uma série de fatores influenciam o aumento do preço da gasolina. Um deles é que o preço do barril de petróleo, substância usada para a produção, tem crescido. A cotação internacional disparou no começo do mês de outubro, para mais de 80 dólares.

Em entrevista para a BBC News Brasil, a economista e professora da Universidade Federal Fluminense (UFF), Julia Braga, explicou que muitos países têm reduzido o uso de gasolina, por se tratar de um combustível que gera muitos gases carbônicos. Esses, que vão para a atmosfera e criam o efeito estufa. Esse fenômeno é o que tem causado uma série de problemas ambientais, inclusive no Brasil, e alguns governos visam reduzir os danos.

Desta forma, muitos países europeus e asiáticos têm usado fontes de energia renovável, como também o gás natural, fazendo com que a oferta diminua.

A Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep), que concentra boa parte da produção global, reduziu a produção para que o preço continuasse o mesmo. Ou seja, a procura continua a mesma mas sem tantos produtos no mercado, o valor deve subir. Assim, a expectativa é de que somente até o fim de 2022, o barril do petróleo volte em um preço melhor, segundo a própria Opep.

Qual o preço do barril de petróleo?
De acordo com a última atualização, os contratos do petróleo Brent avançaram US$ 0,92 ou 1,1% na última quinta-feira, dia 22. Esse é o referencial usado por todos os países. Isto é, o valor foi ajustado em US$ 86,10 por barril. É a sétima vez em que cresceu, na semana.

Desta forma, essa valorização tem feito com que países como o Brasil, onde o dólar está muito acima do comum (cerca de R$ 5,60), tenham uma gasolina mais cara que o normal. Além disso, até mesmo em outros lugares há um grande crescimento, provocado por essa situação global.

O preço médio da gasolina nos Estados Unidos, a efeito de comparação, é de 0,90 dólar por litro, cerca de R$ 5. Já em países como a Venezuela, o preço do litro já chegou a custar 0,025 dólar. No entanto, lá há uma restrição de até 120 litros por mês.

De quem é a culpa – por que o preço da gasolina subiu?
Vários fatores compõem o preço da gasolina, mas especialistas atribuem ao aumento da cotação internacional do dólar, o principal motivo. “A cotação do petróleo tem batido recordes nos últimos anos e houve um aumento na cotação do petróleo. Por outro lado, o dólar ficou muito mais caro no Brasil. Então, o preço [da gasolina] em reais aumentou dos dois lados”, explica o economista Carlos Eduardo Costa ao jornal O Tempo.

Além disso, nos últimos cinco anos, os impostos cobrados pelo governo federal, que tem como titular o presidente, Jair Bolsonaro (sem partido), tiveram a participação aumentada de 9% para cerca de 11,%. São eles o Cide, PIS/Pasep e o Cofins.

Já o imposto estadual (ICMS), usado para custear a segurança, saúde, educação de estados brasileiros, caiu de 28% para 27,3%. As informações são do Relatório do Mercado de Derivados de Petróleo, do Ministério de Minas e Energia.

O que define o preço da gasolina?
Nos dias de hoje, o preço do dólar colabora para que a gasolina fique mais cara. Portanto, com a alta na moeda americana, o combustível fica cada vez mais custoso no Brasil. Além disso, especialistas políticos entendem que algumas posições políticas da atual gestão do país contribuem para que investidores internacionais evitem aquecer o mercado local.

Em 2016, quando a ex-presidente Dilma Roussef (PT) foi tirada do poder, por meio de impeachment, Michel Temer (MDB) assumiu e uma de suas ações foi mudar a forma de taxa o preço da gasolina. Assim, o Preço de Paridade Internacional (PPI) foi aplicado. Desta forma, o mercado internacional iria ditar o que acontecia em território brasileiro. A justificativa para a decisão foi de que isso iria reduzir a dívida que a Petrobras tinha.

Vale lembrar que o etanol anidro, outro componente para a fabricação, também acumula alta de quase 60% desde o início de 2021, de acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Universidade de São Paulo (USP). O crescimento se dá por conta da crise hídrica, que influencia na produção de lavouras de cana-de-açúcar, que são a matéria-prima desse recurso.

Segundo a pesquisadora da UFF, Julia Braga, a empresa também se concentrou mais na extração de petróleo do que do refino. Além disso, tem sido cada vez mais privatizada. No entanto, isso fez com que dependesse mais das importações, estando sujeita a mudanças do mercado de fora.

“O pré-sal é um sucesso retumbante, tem um custo baixíssimo, enquanto a parte do refino não tem tanta competitividade. Então prevaleceu essa ideia de ‘desverticalizar’ para preservar sua geração de lucro.”

Composição do preço da gasolina
De acordo com o Ministério de Minas e Energia, o preço que os motoristas pagam, atualmente, é composto por:

27,7% de ICMS
11,2% de Cide, PIS/Pasep e Cofins
33,9% da Petrobras
17,1% do etanol anidro
10,1% de distribuidoras e postos
O presidente da Câmara, deputado federal Arthur Lira (PP-AL), prometeu que uma nova taxação do ICMS poderá fazer com que o preço da gasolina reduza em 8% até o final do ano. No entanto, essa mesma medida faria com que o valor cobrado em 2023 se baseie no deste ano (que chegou a R$ 7). Ou seja, a solução é vista como momentânea e pode piorar ainda mais no futuro.

Com informações do site: dci