segunda-feira, 18 de outubro de 2021

Inglaterra tem 100 mil vagas de emprego para caminhoneiros pagando R$ 400 mil


 
Foto: Reprodução

O continente europeu sobre com a falta de caminhoneiros, o que já tem afetado o abastecimento de diversos produtos.

A preocupação com os impactos dessa escassez de mão de obra preocupa principalmente porque a chegada do inverno se aproxima.

Uma pesquisa realizada em agosto desse aponta que a Europa necessita de cerca de 400 mil caminhoneiros para atender a suas demandas. Só no Reino Unido, seria preciso contratar 100 mil profissionais.

Vagas de emprego para caminhoneiros na Europa
A falta de mão de obra tem feito com que esses profissionais sejam valorizados, o que consequentemente aumenta o salário que eles recebem.

Para se ter noção da valorização desses profissionais, atualmente um analista financeiro recebe £ 46.700 por ano, convertendo para real, são pouco mais de R$ 351 mil.

Enquanto que um motorista de caminhão pode receber £ 53.781 por ano, ou seja, cerca de R$ 404 mil na conversão direta, sem impostos.

Ao mesmo esse é o valor praticado pela rede de supermercados Waitrose que está contratando profissionais.

Para tentar minimizar os impactos dessa falta de profissionais, 200 motoristas do Exército britânico já atuam transportando produtos, mas ainda é necessário mais.

Como conseguir entrar na Europa como caminhoneiro?
A gente sempre ouve falar que a entrada em diversos países é bastante burocrática, o que de certa forma piorou com a saída do Reino Unido da União Europeia.

Isso fez com que o visto para caminhoneiros de fora da Inglaterra, Irlanda do Norte, Escócia e País de Gales ficasse um pouco mais difícil.

Por outro lado, o governo britânico autorizou a concessão de vistos temporários de trabalho para 5 mil caminhoneiros. Os profissionais terão salários em torno de R$ 32 mil por mês e poderão trabalhar no Reino Unido por três meses.

Vale lembrar que é necessário ter uma autorização para dirigir caminhão no Reino Unido.

E, além disso, o volante lá fica no lado direito, ou seja, o oposto do que estamos acostumados aqui no Brasil.

Com informações do site: FDR