sábado, 30 de outubro de 2021

Governo adia pagamento do Auxílio Brasil de R$ 400 e revela nova data


 
Foto: Reprodução
Os pagamentos do Auxílio Brasil de R$ 400 finalmente ganharam uma data. Mas junto à definição de um cronograma, o Governo Federal adiou a liberação do valor prometido para o mês de dezembro deste ano. 

Apesar de o Auxílio Brasil realmente ser lançado em novembro, mais precisamente no dia 17, neste primeiro mês os beneficiários receberão uma quantia reduzida. Isso porque o governo pagará a média atual do auxílio emergencial com um reajuste aproximado de 20%.

Desta forma, os beneficiários do Auxílio Brasil devem receber uma parcela no valor de R$ 240 em novembro. Em dezembro já seria paga a parcela no valor máximo de R$ 400, embora o Ministério da Cidadania tenha mencionado a possibilidade de haver um extra no último depósito de 2021.  

A pasta pretende liberar uma espécie de benefício retroativo, complementar ao que deveria ser pago na totalidade em novembro. Desta forma, o valor integral da parcela referente ao mês de dezembro seria de R$ 560.

Deste total, R$ 140 são do Auxílio Brasil conforme pago em novembro + R$ 160 para atingir o valor mínimo + R$ 160 para complementar a parcela do mês de novembro.  

Se analisar esta proposta com atenção, nota-se que seria basicamente o valor médio de R$ 400 dividido desproporcionalmente nestes dois últimos meses do ano. A pasta explicou que o reajuste médio de 20% visa repor uma parte da inflação acumulada desde 2018. 

Contudo, o percentual exato ainda não foi estabelecido, sendo que até a última semana, por exemplo, era de 17,8%, responsável por gerar uma média de R$ 222. Agora, como a nova sinalização, o auxílio transitório pode chegar a R$ 226,80.  

O Auxílio Brasil irá contemplar 17 milhões de famílias a partir do mês que vem, com uma previsão de ajuda de custo entre R$ 50 e R$ 60 para as famílias que receberem quantias inferiores a R$ 400. 

Nota-se que o Auxílio Brasil continua bastante incerto em vários pontos e, de certa forma, continuará assim até que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos precatórios seja aprovada. Essa é a proposta que o Governo Federal encontrou para conseguir custear o valor proposto, ao menos em parte.

Com informações do site: FDR