sexta-feira, 24 de setembro de 2021

Quantas parcelas tem o auxilio emergencial e haverá prorrogação?


 
Foto: Reprodução

Criado em 2020 como medida de urgência para minimizar os impactos socioeconômicos gerados pela pandemia de Covid-19, o Auxílio Emergencial já foi prorrogado uma vez e agora, perto do fim, isso  faz com que muitos se perguntem quantas parcelas tem o auxilio emergencial de 2021 e se o número de rodadas de pagamento pode ser aumentado mais uma vez.

A medida de repasse de renda federal está atualmente na 6ª parcela de pagamento e pagará a sétima parcela já no mês que vem, entre os dias 18 e 31 de Outubro. Os depósitos estão sendo realizados pela Caixa Econômica Federal, porém, a entidade não irá mais realizar o pagamento a partir de novembro deste ano. Inicialmente, o projeto do Auxílio Emergencial previa o pagamento de apenas quatro parcelas, todas em 2020. 

A prorrogação do benefício, porém, foi aprovada no começo de 2021 e o Governo Federal concedeu outras três parcelas de pagamento para os mesmos beneficiários do ano passado. O valor, porém, passou de até R$ 1.500 para mães chefes de família, para R$ 375 pagos ao mesmo público. 

Para a população de modo geral, o valor médio da prorrogação foi de R$ 250, com limite de recebimento de uma pessoa por família. Pessoas que viviam sozinhas receberam apenas R$ 150. 

O Auxílio Emergencial pode ser renovado?
Além de quantas parcelas tem o auxilio emergencial e das datas de pagamento, a possibilidade de renovação do auxílio é uma dúvida recorrente dos beneficiários. Com a disparada de preços dos alimentos, aumento da inflação, reajustes nas contas de energia elétrica e elevados índices de desemprego, a permanência do auxílio emergencial é para muitos uma esperança de melhores condições de vida. A renovação do benefício por parte do Governo Federal, porém, se torna cada vez mais improvável. 

Frente a pressão social e a queda na popularidade, o presidente da República Jair Bolsonaro (Sem Partido) deixou as críticas de lado e tem investido fortemente na divulgação do novo Bolsa Família. O Programa, que passará a se chamar Auxílio Brasil, representa a nova estratégia do governo para aumentar a aprovação diante da desastrosa gestão da pandemia de Covid-19 e já está sendo apresentado como substituto do Auxílio Emergencial. 

Sendo uma reformulação da medida criada sob gestão do ex-presidente Lula com a junção de outros seis programas sociais, o Auxílio Brasil foi implementado por meio de Medida Provisória publicada no Diário Oficial da União no dia 10 de agosto e está em tramitação no Congresso Nacional. 

O Ministério da Cidadania, pasta responsável por gerir políticas de desenvolvimento e seguridade socioeconômica no Brasil, declarou nesta terça-feira, 21 de setembro: “Após os pagamentos da sexta e sétima parcelas do Auxílio Emergencial 2021, que serão realizados em setembro e outubro, o Governo Federal dará início ao Auxílio Brasil”. 

A fala da entidade não deixa dúvidas de que não há intenção em viabilizar uma segunda prorrogação dos pagamentos do Auxílio Emergencial. Assim, quem ainda se pergunta quantas parcelas tem o auxilio emergencial deve ficar atento, pois o benefício encontra-se na sua penúltima rodada de depósitos para inscritos no Bolsa Família e trabalhadores do público geral. 

As parcelas do Auxílio Emergencial 2021 vão até quando?
Assim como nas rodadas anteriores, o pagamento da sexta parcela do Auxílio Emergencial ocorre de forma escalonada. Ou seja, os beneficiários foram divididos em grupos e o pagamento é liberado gradualmente para cada um deles. Os depósitos para inscritos no Bolsa Família levam em consideração o último dígito do Número de Identificação Social (NIS) e o pagamento para público geral tem como base o mês de aniversário. 

Por seguir calendário específico do programa social já existente, o Auxílio é pago primeiro para membros do Bolsa Família, assim, na sexta-feira, 17, aqueles com NIS 1 receberam o pagamento. Para público geral, os depósitos começaram apenas nesta terça-feira, 21 de setembro, com pagamento para os nascidos em janeiro. 

Quem recebe o auxílio emergencial de 2021 por fazer parte do banco de dados do Bolsa Família ganha o direito ao saque em espécie no mesmo dia do depósito em conta do benefício. Para trabalhadores informais, autônomos, desempregados, Microempreendedores Individuais (MEIs) e demais membros do público geral, o saque somente é liberado cerca de duas semanas após o pagamento. 

A sétima e última parcela do benefício começará a ser paga no dia 18 de Outubro para inscritos no Bolsa Família, começando por aqueles com NIS 1. No dia 20 do mesmo mês, o pagamento começa a ser feito para integrantes do público geral, beneficiando primeiro os nascidos em janeiro. 


Com informações do site:  dci