terça-feira, 14 de setembro de 2021

Empreendedorismo digital abre espaço para pequenos negócios


 
Foto: Reprodução

Com certeza você já deve ter visto algum curso online bombar na internet. Tem aulas de violão, marketing, finanças pessoais, beleza e até sobre cafés. Mas, o que você pode talvez não saber é que, por trás desses cursos, há sempre um empreendedor que conseguiu fazer de uma habilidade ou paixão um negócio que gera lucro.

Durante a quarentena, o tráfego nas redes sociais e na própria internet aumentou. Lives, jogos, e-books, bate-papos, cursos online e outras plataformas chamaram a atenção dos usuários, e esse cenário mostra a mudança do público brasileiro que trocou ambientes físicos pelo virtual, até no momento de estudar e se aperfeiçoar. A HeroSpark, solução completa para empreendedores digitais, viu a venda de cursos online aumentar entre janeiro e julho de 2021. O salto foi de 60% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Para Rafael Carvalho, COO da startup, a pandemia acelerou ainda mais esse movimento e, além disso, transformou as redes sociais e as plataformas digitais em um ambiente propício para o empreendedorismo. “O consumo da internet e a participação das pessoas no universo digital já estava em alta e assim como foi para diversos setores, a pandemia só acelerou mais esse cenário. Isso também abriu os olhos das pessoas que perderam o emprego, muitas delas viram esse mercado como uma alternativa para ganhar uma renda extra”, avalia. 

Com o alto índice de desemprego e a economia abalada, inúmeros brasileiros tiveram que aceitar ‘bicos’, se reinventar e investir em novos meios para gerar renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Contínua), divulgados na última terça-feira (31), o trabalho por conta própria cresceu 14,7% em um ano, o índice bateu o patamar recorde de 24,8 milhões de pessoas. 

Um dos exemplos com esse perfil é o das sócias Josiane Shizuno e Michelle Ambos. Juntas criaram a Casa Di Pães - sem glúten, sem lactose e produtos low carb. Michelle entrou no desafio por necessidade, frente ao desemprego na pandemia. Para ela, agora, o objetivo é inaugurar um espaço físico e expandir o atendimento. “Eu estava desanimada com a profissão e vi nisso uma oportunidade de me reinventar em meio à pandemia. Trabalhar por conta com um negócio que eu amo e acredito me deixa mais realizada”, afirma, enquanto Josiane completa: “Nosso negócio me deixou ainda mais esperançosa. Eu era dona de casa e agora estou indo morar em outra cidade para que esse sonho aconteça”. 

Já Stephanne Fernandes, parceira da HeroSpark, é uma empreendedora digital que aprendeu na prática estratégias de branding e marca pessoal e ensina para seus seguidores como se posicionarem na internet. Segundo ela, a paixão e a vontade de compartilhar conhecimento foram essenciais para sua trajetória. “Coincidentemente a pandemia surgiu bem no momento em que eu estava largando a CLT para empreender. Comecei, então, como social media, porque já tinha experiência na área, e acabei criando um perfil no Instagram para compartilhar meus conhecimentos. Foi assim que esbarrei no mundo das mentorias e consultorias e me apaixonei. Hoje minha renda vem 100% desses infoprodutos”, comenta.

Segundo Carvalho, todos podem viver da sua paixão, transformar aquilo que conhecem, suas experiências e ideias em um negócio de alto impacto e lucro. “Na HeroSpark nós já vimos inúmeras histórias: já ajudamos mais de 10 mil pessoas a fazer seus projetos decolarem na internet e isso motivou também a criação do livro Paixão S.A., que fala sobre empreendedorismo digital, marketing e claro, paixão e habilidade como negócio. Afinal, são as nossas paixões e histórias que fazem a gente seguir diariamente”, finaliza. 

Com informações do site:  exame