quarta-feira, 15 de setembro de 2021

De olho em 2022, governo quer passar R$ 2 bi do Bolsa Família direto para prefeitos e governadores


 
Foto: Reprodução

O governo Jair Bolsonaro planeja usar pelo menos R$ 2 bilhões que vão sobrar do orçamento do Bolsa Família neste ano para financiar ações sociais de estados e municípios. Com esse acréscimo, a verba a ser enviada pelo ministério da Cidadania diretamente a prefeitos e governadores neste ano vai mais do que dobrar. 

O dinheiro deve sair do total destinado ao Bolsa Família que acabou não sendo usado, porque muitos beneficiários optam por receber o Auxílio Emergencial, que paga um valor maior.

Em tese, são recursos para centros comunitários e programas que hoje estão sob o guarda-chuva da assistência social, mas que podem ser destinados até a quadras de esporte e outras despesas que nada tem a ver com o Bolsa Família. Vai depender de como projetos de lei do governo pedindo autorização para o remanejamento dos recursos sairão do Congresso.  

Estão na Câmara dos Deputados dois projetos,  enviados pela equipe econômica a pedido do ministro João Roma, da Cidadania.  Ao GLOBO, o ministro disse calcular que o Bolsa Família deve ficar com saldo de R$ 9 bilhões em caixa ao final do ano. 

Segundo Roma, R$ 7 bilhões vão ajudar a compor o orçamento do novo programa social do governo, o Auxílio Brasil. Os outros R$ 2 bilhões vão para a rubrica da secretaria de Desenvolvimento Social do ministério, administrada pelo deputado Robson Tuma, do mesmo partido de Roma (Republicanos-SP). O ministro afirma que, neste ano, o orçamento para essas despesas de assistência social ficou em R$ 1,7 bilhão. 

Acontece que, diferentemente do dinheiro do Bolsa Família, que é atrelado ao número de beneficiários de cada estado ou município, se o remanejamento for aprovado, a decisão sobre quanto dinheiro vai para onde caberá exclusivamente a Roma.

Esse é um dos pontos que estão no projeto da Câmara. Além disso, os textos  abrem espaço para que o dinheiro do Bolsa Família possa ser utilizado em outros fins que não o novo programa social do governo, o Auxílio Brasil. 

A manobra foi identificada por parlamentares que resistem a entregar um cheque em branco nas mãos do governo em ano eleitoral. O próprio João Roma não esconde que pretende se candidatar ao governo da Bahia no ano que vem.

O texto deveria ser votado nesta terça-feira na  Comissão Mista de Orçamento, mas a falta de acordo entre os partidos fez com que a sessão fosse suspensa. 

Para o deputado Vinicius Poit (Novo-SP), a autorização fere a determinação do Tribunal de Contas da União, emitida no ano passado, de que toda a sobra do Bolsa Família fosse usada exclusivamente em medidas para atenuar os efeitos da Covid-19. “As regras para o uso desse dinheiro já foram definidas e não devem ser quebradas", diz Poit. "Ao abrir essa brecha, corremos o risco de ver o dinheiro ser desviado para outras finalidades. Vamos trabalhar para impedir esse tipo de criatividade orçamentária”.

Uma forma de "criatividade orçamentária" possível seria usar o dinheiro para outros programas do ministério do próprio Roma que não estão diretamente ligados ao Bolsa Família – como a construção de quadras esportivas, bastante populares em ano eleitoral. Já tem deputado no Congresso até sonhando com isso. Nesse caso, o responsável pelo envio do dinheiro seria o secretário especial do esporte, Marcelo Magalhães, padrinho de casamento de Flávio Bolsonaro. 

Com informações do site: blogs