domingo, 19 de setembro de 2021

Auxílio emergencial: governo não deve liberar nova contestação;


 

Foto: Reprodução
Nesta sexta-feira (17), a Caixa Econômica Federal começou a liberar a 6ª parcela do Auxílio Emergencial. Entretanto, a nova rodada do benefício não deve ficar disponível para todos os segurados. Os primeiros contemplados devem ser o benefícios do Bolsa Família que precisam verificar no portal da Dataprev, se vão continuar a ganhar o benefício ou não. Inclusive, o governo não deve liberar uma nova rodada de contestação.  

Auxílio emergencial: governo não deve liberar nova contestação;

Em 2020, as famílias vulneráveis receberam 5 parcelas de R$ 600 ou R$ 1,2 mil (no caso de mães chefes de famílias monoparentais) do Auxílio Emergencial. Posterior a isso, o governo estendeu o pagamento do benefício até o dia 31 de dezembro, com 4 parcelas de R$ 300 ou 600.

Neste ano de 2021, a nova rodada de pagamento tem parcelas de R$ 150 a R$ 375, de acordo com o perfil. Ou seja, as famílias em geral, recebem R$ 250. Já a família monoparental, chefiada por uma mulher, ganha R$ 375. Quem mora sozinho, ganha R$ 150. Em suma, o programa se encerraria com a 4ª parcela do Auxílio Emergencial. Entretanto, o governo decidiu prorrogar o programa até outubro, com mais 3 parcelas.

Em suma, a liberação do auxílio emergencial diminui a cada vez mais. A cada rodada, o governo federal do Brasil passa um pente fino na folha orçamentária do projeto. Dessa forma, o governo reduz as suas despesas. Sendo assim, a Dataprev acaba de liberar o período de consulta dos aprovados deste mês. 

Como saber se o governo não cortou o seu benefício?

Para saber se você vai receber a 6ª e a 7ª parcela do auxílio emergencial, o procedimento é muito simples. Acesse o site do portal da Dataprev e informe os seus dados de identificação pessoal. Ou seja, o seu nome completo, o número do seu CPF e a data de nascimento. Em seguida, confirme a consulta e aguarde o resultado. 

Quem estiver na lista de pagamento, deve aguardar a data que o governo determina para fazer o depósito. Já os outros pagamentos, não deve ter uma nova chance de contestação. já que o governo não vai fazer mais a revisão do seu pente fino. Sendo assim, que não receber o pagamento, está definitivamente cortado das parcelas de setembro e outubro, do auxílio emergencial. 


Com informações do site: seucreditodigital, Priscilla Kinast.