sábado, 7 de agosto de 2021

Vai viajar no fim de 2021 ou início de 2022? É hora de planejar


 
(Foto: Reprodução)
O mundo está voltando ao normal. No Brasil o momento ainda é de cuidados com a Covid-19, mas o avanço da vacinação está provocando um rápido aumento na demanda por viagens e hospedagens nos principais destinos nacionais. A prova disso está na da inflação de julho, medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que registrou um aumento de 35,6% no preço das passagens aéreas, muito acima do esperado para o mês. 

Significa que, se você já está vacinado ou tem uma data prevista para se vacinar e pensa viajar agora no segundo semestre de 2021 ou mesmo no início de 2022, vale a dica para que faça seu planejamento com antecedência. A tendência é de que a demanda por viagens dentro do Brasil seguirá em alta até o fim do ano, levando em conta a demanda reprimida de quem deixou de viajar durante a pandemia e as muitas restrições dos países que ainda barram a entrada de brasileiros no exterior.  

Agências de viagens onlines, como o site Melhores Destinos, avaliam que quanto mais a vacinação avança no Brasil, mais pessoas irão planejar e comprar pacotes de viagens, e esse movimento deve se manter até o fim do próximo mês de setembro, quando espera-se que toda a população brasileira adulta tenha recebido pelo menos uma dose de vacina contra a Covid-19.

Levantamento do Melhores Destinos sobre a hora certa de planejar sua viagem no Brasil para o 2º semestre de 2021 ou início de 2022 mostra que nas passagens aéreas ainda é possível encontrar bons preços em algumas rotas para viajar até janeiro, especialmente nos destinos onde a recém chegada companha aérea Itapemirim começou a voar, ou nos destinos de maior concorrência.

Pode haver promoções pontuais nos fins de semana para quem quer viajar até novembro. Mas para viagens em dezembro, janeiro ou fevereiro, as boas ofertas serão cada vez mais difíceis. Os pacotes de viagem podem ser uma opção interessante nesse cenário, já que na maioria das vezes incluem um desconto diferenciado nos voos e na hospedagem, pela compra conjunta.

Lembre-se de que essa pode ser uma boa oportunidade de utilizar vouchers de viagens não realizadas em 2020 ou 2021, bem como gastar aquelas milhas que estão prestes a vencer. Além disso, viagens programadas até 31 de dezembro de 2021 tem flexibilidade garantida pela lei Lei 14.174, que estabelece regras de remarcações e cancelamentos de viagens e hospedagens na pandemia.

Pela atualização da Lei 14.174/21 o viajante tem direito ao reembolso, crédito, reacomodação ou remarcação de voo, independente do meio de pagamento utilizado. A negociação deve ser feita entre o consumidor e a companhia aérea, e no caso de reembolso o ressarcimento será em até 12 meses a contar da data do voo cancelado.

Desde o início da pandemia, em março de 2020, já foram editadas duas leis sobre regras para reembolso de passagens aéreas de voos cancelados. A primeira legislação entrou em vigor em agosto de 2020. A única novidade na lei atual é o prazo de negociação que foi estendido para até 31 de dezembro de 2021. 

Com informações do site: CAMPO GRANDE NEWS