terça-feira, 31 de agosto de 2021

Me casei novamente: eu perco a pensão por morte?


 
Foto: Reprodução
Este é um dos mitos e uma das dúvidas que ainda pairam na cabeça dos brasileiros. Realmente, a Lei nº 3.807/1960, conhecida como Lei Orgânica da Previdência Social (LOPS), estabelecia que a pensão por morte se extinguia pelo casamento de pensionista do sexo feminino. Ou seja, a mulher perdia o direito ao benefício.

Contudo, essa lei foi revogada e a partir de 1991 foi estabelecida a lei 8.213 que proíbe que a pessoa pare de receber a pensão por morte em caso de novo matrimônio ou tenha união estável.

Contudo, essa lei foi revogada e a partir de 1991 foi estabelecida a lei 8.213 que proíbe que a pessoa pare de receber a pensão por morte em caso de novo matrimônio ou tenha união estável.
É possível acumular benefícios?
A pensão por morte é um auxílio financeiro para garantir o sustento do cônjuge após o falecimento do segurado. Para ter direito a ela, o segurado deveria estar contribuindo ao INSS ou recebendo algum benefício previdenciário.

No entanto, no caso do novo cônjuge ou companheiro vier a falecer, não será permitido que o pensionista receba duas pensões por morte, se elas forem pagas pelo mesmo Regime Geral da Previdência Social (RGPS). Será preciso optar pela pensão que for mais vantajosa para continuar recebendo. 

Essa regra vale a partir de novembro de 2019, desta forma, aqueles que recebiam valores acumulados ou possuíam direitos a receber benefícios antes desta data, o pagamento continua mantido pelo INSS. Os servidores municipais, estaduais e federais ficam excluídos desta determinação, além daqueles que faleceram antes de abril de 1991. 

É possível acumular a pensão por morte com a aposentadoria, caso o cônjuge esteja trabalhando e seja contribuinte do INSS.

Quanto tempo é possível receber o benefício?
Isso vai depender da idade do cônjuge falecido. Pode até ser vitalícia. Acompanhe o que diz as regras:

Menos de 21 anos: 3 anos;
Entre 21 e 26 anos: 6 anos;
Entre 27 e 29 anos: 10 anos;
Entre 30 e 40 anos: 15 anos;
Entre 41 e 43 anos: 20 anos;
A partir de 44 anos: Vitalícia.
Portanto, com as mudanças da lei, há a possibilidade de uma nova união ou casamento e não perder a pensão por morte. Fique sabendo disso e exija seus direitos.
Dica Extra do Jornal Contábil: Compreenda e realize os procedimentos do INSS para usufruir dos benefícios da previdência social. 

Já pensou você saber tudo sobre o INSS desde os afastamentos até a solicitação da aposentadoria, e o melhor, tudo isso em apenas um final de semana? Uma alternativa rápida e eficaz é o curso INSS na prática: 

Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que você precisa saber para dominar as regras do INSS, procedimentos e normas de como levantar informações e solicitar benefícios para você ou qualquer pessoa que precise. 

Não perca tempo, clique aqui e domine tudo sobre o INSS.

Com informações do site: JORNAL CONTABIL