terça-feira, 24 de agosto de 2021

Golpe do Pix é enviado por SMS: saiba como se proteger


 


Foto: Reprodução

O sucesso do sistema de pagamento instantâneo do Banco Central tem atraído não apenas os cidadãos, mas também chama a atenção de criminosos. Para conseguir dinheiro fácil, foi criado o golpe do Pix, visto que a ferramenta permite movimentações rápidas de quantias de dinheiro.

Por isso, a vítima tem menos tempo para perceber que está sendo enganada. Através do golpe mais recente, são oferecidos descontos em faturas de cartão de crédito e de contas de celular. Então, para não cair no golpe do Pix, veja a seguir como funciona essa nova artimanha que tem sido realizada em várias regiões do país. Confira ainda as principais dicas para se proteger.

Como funciona o golpe do PIX?
Os golpistas encontraram uma nova forma de atrair as vítimas e enganá-las: oferecendo descontos em faturas de cartão de crédito ou celular através de mensagens enviadas via SMS.

Nestas mensagens é informado que instituições financeiras como operadoras de cartão de crédito e companhias de telefonia estão realizando uma campanha para facilitar o pagamento das contas pagas, mas, a condição para receber esse suposto desconto é fazer o pagamento através do Pix. 

As mensagens costumam ter um link falso que direciona a vítima para um site onde ela poderá obter a fatura com desconto, após informar seus dados pessoais. Também são solicitadas informações como a bandeira do cartão de crédito, os quatro últimos dígitos do cartão, além do valor total da fatura.

Para finalizar a transação, o site informa uma chave Pix para que o pagamento seja feito com o devido desconto. No caso do pagamento das faturas relacionadas à aparelhos celulares, a chave Pix tem sido informada na própria mensagem. 

Como funciona o PIX?
O Pix tem sido bastante utilizado por golpistas diante da facilidade do pagamento, que é instantâneo. Criado pelo Banco Central, essa ferramenta virtual possibilita a transferência de quantias de diversos valores entre contas em poucos segundos, a qualquer hora, mesmo em dias como sábados, domingos e feriados.

Os pagamentos pelo Pix podem ser realizados a partir de uma conta corrente, conta poupança ou conta de pagamento pré-paga. Para utilizar o Pix, o cliente registra sua chave deve acessar o aplicativo ou internet banking da sua instituição e informar a chave da pessoa que receberá o dinheiro.

Rapidamente, a quantia cai na conta e a pessoa pode movimentar normalmente. Segundo o Banco Central, não há limite mínimo para pagamentos ou transferências via Pix. Isso quer dizer que você pode fazer transações a partir de R$0,01. Em geral, também não há limite máximo de valores, mas as instituições que ofertam o Pix podem estabelecer limites baseados em critérios de mitigação de riscos de fraude e outros crimes.

Essa praticidade, no entanto, não é vista na hora de cancelar o envio de um Pix ou conseguir obter a quantia de volta. Caso isso seja necessário, a orientação do Banco Central é negociar com o recebedor a devolução do valor. Outra opção é entrar em contato com a instituição financeira e solicitar que seja feito o estorno. Isso poderá ser feito caso o dinheiro ainda não tenha sido sacado.

O cliente também pode fazer uma reclamação nos canais de atendimento da própria instituição e do Banco Central e registrar uma ocorrência na Polícia. Para comprovar a situação, guarde todos os documentos e evidências.

Com informações do site: DCI