terça-feira, 10 de agosto de 2021

Auxílio Brasil: o que muda com o programa que substituirá o Bolsa Família? Conheça o novo programa


 
(Foto: Reprodução)
Nesta segunda-feira (9), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi até o Congresso entregar uma MP (Medida Provisória) que institui o novo Bolsa Família. O texto, ao qual o UOL teve acesso, cria o programa Auxílio Brasil, mas não deixa claro qual será o valor do benefício nem de onde virão os recursos para bancar o novo valor. 

Segundo a MP, o Auxílio Brasil será composto por três benefícios principais: 

  • Benefício Primeira Infância – para famílias com crianças com idade entre zero e 36 meses incompletos;
  • Benefício Composição Familiar – para famílias que possuam gestantes ou pessoas com idade entre três e 21 incompletos; 
  • Benefício de Superação da Extrema Pobreza – valor mínimo calculado por integrante e pago por família beneficiária, cuja renda familiar mensal per capita, calculada após o acréscimo dos benefícios financeiros, for igual ou inferior ao valor da linha de extrema pobreza;  
Além disso, o programa também prevê benefícios extras. São eles: 

  • Auxílio Esporte Escolar – destinado a estudantes com idades entre 12 e 17 anos incompletos que sejam membros de famílias beneficiárias do Auxílio Brasil e que se destacarem nos Jogos Escolares Brasileiros; 
  • Bolsa de Iniciação Científica Junior- para estudantes com bom desempenho em competições acadêmicas e científicas e que sejam beneficiários do Auxílio Brasil. A transferência do valor será feita em 12 parcelas mensais. Não há número máximo de beneficiários por núcleo familiar. A Bolsa de Iniciação Científica Junior já existe atualmente, no valor de R$ 100, e é paga pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).
  • Auxílio Criança Cidadã – direcionado ao responsável por família com criança de zero a 48 meses incompletos que consiga fonte de renda mas não encontre vaga em creches públicas ou privadas da rede conveniada. O valor será pago até a criança completar 48 meses de vida, e o limite por núcleo familiar ainda será regulamentado.
  • Auxílio Inclusão Produtiva Rural – pago por até 36 meses aos agricultores familiares inscritos no Cadastro Único.
  • Auxílio Inclusão Produtiva Urbana – quem estiver na folha de pagamento do programa Auxílio Brasil e comprovar vínculo de emprego formal receberá o benefício.

Transição do Bolsa Família para o Auxílio Brasil 

Segundo a MP, o programa Bolsa Família deixará de existir em 90 dias a partir da publicação da norma – ou seja, em novembro. O governo prevê um benefício transitório para fazer a passagem entre o antigo Bolsa Família e o Auxílio Brasil: 
  • Benefício Compensatório de Transição – para famílias que estavam na folha de pagamento do Bolsa Família e perderem parte do valor recebido em decorrência do enquadramento no Auxílio Brasil. Será concedido no período de implementação do novo programa e mantido até que haja majoração do valor recebido pela família ou até que não se enquadre mais nos critérios de elegibilidade. 

Quem terá direito? 

Hoje, o Bolsa Família pode ser recebido por famílias em situação de pobreza (que tenham renda por pessoa entre R$ 89,01 e R$ 178) ou extrema pobreza (renda por pessoa de até R$ 89 por mês) que tenham em sua composição gestantes, mães que amamentam, crianças ou adolescentes entre 0 e 17 anos.

O novo texto não especifica quais serão as faixas de renda consideradas. 

A MP, porém, altera a faixa de idade considerada. Famílias em situação de pobreza poderão requerer o auxílio se possuírem gestantes ou filhos com 21 anos incompletos. Entretanto, só serão considerados jovens entre com idade entre 18 e 21 anos que estiverem matriculados no ensino básico. 

Regras para saída e retorno ao programa 

Os beneficiários que tiverem aumento da renda, e essa nova renda ultrapasse o limite para a inclusão no Auxílio Brasil, serão mantidos na folha de pagamento por mais 24 meses. Essa norma foi chamada de “Regra de Emancipação”. 

A família beneficiária que deixar de receber o Auxílio Brasil, por vontade própria ou após os 24 meses, poderá retornar ao programa com prioridade, sem enfrentar qualquer fila, desde que atenda aos requisitos de elegibilidade.  

30% do benefício poderá garantir empréstimos 

Os beneficiários do Auxílio Brasil poderão comprometer até 30% do valor do benefício como garantia para operações de microcrédito.

Segundo o Ministério da Cidadania, a medida tem como objetivo permitir uma melhor administração do orçamento familiar e a realização de planejamento financeiro com vistas a pequenos negócios e empreendedorismo. 

O que falta saber? 

Apesar de o governo ter levado o texto ao Congresso, ainda há indefinições importantes: 

De quanto será o novo auxílio? 

A MP não traz essa informação. O Ministro da Cidadania, João Roma, afirmou que o aumento no valor deve ser de no mínimo 50%, mas não detalhou números. Considerando que hoje o benefício médio é de o benefício médio é de R$ 189, o novo valor ficaria em R$ 283,50 – abaixo dos R$ 300 prometidos pelo presidente.  

Como o governo vai pagar o novo benefício? 

O governo ainda não sabe de onde virão os recursos para bancar o Auxílio Brasil em 2021 e em 2022. Para fazer os pagamentos em novembro e dezembro de 2021, será necessário detalhar a proposta por meio de uma alteração no Orçamento vigente.

A ideia inicial da equipe econômica pagar bancar o programa em 2022 é parcelar o pagamento de precatórios, que são decisões judiciais que determinam o pagamento de dívidas do governo com empresas e pessoas. 

O governo quer parcelar essas dívidas para abrir espaço no orçamento e usar esses recursos que bancariam o pagamento de precatórios para pagar o Auxílio Brasil. O Judiciário encaminhou ao governo uma previsão de despesas de R$ 90 bilhões com precatórios. Ainda não foi detalhado quanto dessa despesa seria adiada com o parcelamento e quanto seria direcionado para os desembolsos com o Auxílio Brasil.

Durante coletiva de imprensa, o ministro da Cidadania, João Roma, mencionou uma sobra de R$ 18 bilhões no orçamento do Bolsa Família neste ano, que poderia ser utilizado no novo programa. Esse dinheiro acabou não sendo gasto porque os beneficiários do Bolsa Família receberam o auxílio emergencial de 2021, que foi custeado com recursos extras, fora do teto de gastos. 

Esses R$ 18 bilhões, portanto, são uma sobra temporária, que não servirá para bancar o programa a longo prazo.  

E o calendário do Bolsa Família, como fica? 

A previsão é de que o Bolsa Família acabe em outubro. Ainda não há um calendário divulgado para o pagamento do Auxílio Brasil, que deve começar a ser pago em novembro. 

O que ainda pode mudar? 

A MP formulada pelo governo será submetida à apreciação do Congresso. Por isso, os parlamentares poderão implementar mudanças no texto.

Caberá a deputados e senadores, por exemplo, definir qual será o valor exato do programa. Além disso, os parlamentares podem mudar a lista de benefícios elaborada pelo governo. O Congresso também pode avaliar que o programa não é “sustentável” e rejeitar o projeto. 

Com informações do site: UOL