sábado, 31 de julho de 2021

Mais de 200 mil alunos voltam às aulas presenciais na segunda-feira


 
(Foto: Reprodução)
As 347 unidades escolares da Rede Estadual de Ensino voltam a partir de segunda-feira (02) com aulas presencias, de forma alternada. Atividades escolares estavam suspensas desde março de 2020 devido à pandemia do coronavírus.

Secretária Estadual de Educação, Maria Cecília Amêndola ressaltou esta semana que a volta às aulas é uma obrigação, em que o aluno só poderá deixar de ir à escola mediante atestado médico, comprovando doença ou familiar doente. “Se o aluno não aparecer, vai haver uma busca pelos órgãos para saber o motivo, e se não houver, Ministério Público e Conselho Tutelar serão acionados”, ressaltou Cecília.

De forma híbrida, mais 200 mil alunos deixarão a partir de agosto o estudo remoto para atividades presenciais, intercaladas de 15 em 15 dias. Maria Cecília explicou que alunos que estiverem em casa terão atividades curriculares para serem feitas e entregues na próxima semana, de forma presencial.

Decisão de volta às aulas e definição de protocolo de biossegurança foram feitas por 21 entidades que fazem parte do Caepe, tais como representantes do poder público, órgãos de controle e representações sindicais. Protocolo de Volta às Aulas é composto por quatro eixos centrais:

Eixo Biossegurança;
Eixo Socioemocional;
Eixo Cognitivo;
Eixo Normativo;
Para esse retorno às atividades presenciais, de forma alternada, as unidades escolares deverão seguir os percentuais de ocupação das salas observando o contexto em cada município para, então, definir o escalonamento das turmas a cada semana.

Sendo assim, o Governo do Estado - por intermédio da Secretaria de Estado de Educação (SED) - adotou como base os indicadores ("bandeiras") do Programa de Saúde e Segurança na Economia, conhecido por Prosseguir, que apontam o grau de risco observado em cada cidade do Estado. 

Cálculo

Considerando uma sala com 30 estudantes, média essa levando em conta todas as salas da Rede Estadual de Ensino de MS, temos as seguintes ocupações de sala para cada contexto observado abaixo, de acordo com os graus de risco apontados:


Com informações do site: JD1