sábado, 31 de julho de 2021

Acompanhe ao vivo o mercado financeiro, Bolsas pelo mundo, dólar, indicadores e empresas


 
(Foto: Reprodução)
Bolsa cai 2,45% e perde o patamar dos 123 mil pontos

A Bolsa de Valores brasileira caía 2,45% perto das 15h06, aos 122.528 pontos, na esteira dos mercados internacionais. O Ibovespa, principal índice acionário do Brasil, também era pressionado pelos papéis da Vale e refletia a reação do mercado ao risco fiscal e atentos às falas do ministro da Economia, Paulo Guedes.

As ações da Vale recuavam 4,50%, cotada em R$ 110,36. O movimento de queda era impulsionado pelo tombo dos contratos futuros do minério de ferro na Ásia nesta sexta-feira (30), pressionados pela decisão da China de reduzir a produção de aço e pela diminuição na demanda doméstica pelo material de construção e manufatura.

Na véspera a companhia já havia encerrado em queda de 1,47% apesar de ter reportado um lucro de US$ 7,6 bilhões no segundo trimestre. A mineradora afirmou que elevará a produção do minério de ferro no segundo semestre.

O lucro da companhia foi considerado abaixo do esperado pelo mercado. Analistas também comentaram que a queda das ações da companhia vista na quinta (29) também refletia um ajuste de preços.

Além disso, nesta sexta-feira (30), o ministro da Economia disse que o governo não descumprirá a regra do teto de gastos por causa do Bolsa Família, cujo valor será reajustado segundo anúncio já feito pelo presidente Jair Bolsonaro.

Ele destacou, no entanto, que sua equipe tem verificado desde o ano passado o aumento atípico de uma outra despesa pública que poderá demandar uma reação por parte do governo.

"Estamos ainda processando algumas informações que estão chegando", disse Guedes a jornalistas, sem dar detalhes. "Às vezes despesas de outros poderes nos atingem e aí temos que fazer um plano de combate imediato."

Bolsonaro anunciou na semana passada que o valor médio do Bolsa Família será reajustado para acima de R$ 300, dos atuais R$ 192.

(Com Reuters)

Dívida bruta cai a 84% do PIB em junho, menor patamar em um ano

Dados do Banco Central divulgados nesta sexta-feira (30) mostram que a dívida bruta do país voltou a cair em junho, sob o impacto do aumento do PIB nominal e da valorização cambial, e atingiu 84% do Produto Interno Bruto, menor patamar desde junho do ano passado (83,6%)

Foi o quarto mês consecutivo de recuo do indicador. Em maio, a dívida bruta estava em 84,6%.


A dívida líquida do país como proporção do PIB, por outro lado, aumentou 1,1 ponto percentual em junho, somando 60,9%. Nesse caso, a valorização do real frente ao dólar contribui para aumentar a relação porque reduz o valor em reais das reservas internacionais.

O recuo da dívida bruta se deu a despeito de o setor público consolidado brasileiro ter registrado déficit primário no mês, de R$ 65,508 bilhões, com o rombo em 12 meses passando a 3,81% do Produto Interno Bruto.

Pesquisa da Reuters apontava que a expectativa era de um saldo negativo menor, de R$ 60,0 bilhões para o mês.

No mês, o governo central registrou déficit primário de R$ 75,083 bilhões, enquanto os governos regionais e as empresas estatais apresentaram superávits respectivamente de R$ 8,391 bilhões e R$ 1,183 bilhão.

Considerando também as despesas com juros, o déficit do setor público atingiu R$ 75,595 bilhões em junho, ante um déficit nominal de R$ 210,161 bilhões no mesmo mês de 2020, quando as despesas do governo com medidas de enfrentamento à pandemia foram muito mais elevadas.

O aumento do PIB nominal que está por trás do recuo da dívida este ano reflete tanto a retomada da atividade como o aumento da inflação embutida no cálculo do dado estimado para o PIB. O BC já alertou que o país só consolidará uma tendência de longo prazo de redução do endividamento a partir do equilíbrio das contas públicas.

(Reuters)

Bolsa cai 1,31% com exterior desfavorável

A Bolsa de Valores brasileira caía 1,31% perto das 11h27, aos 124.023 pontos, em meio a um ambiente desfavorável no exterior e com Vale recuando mais de 3% na esteira do tombo dos preços do minério de ferro na China.

A temporada de resultados corporativos no Brasil também permanecia sob os holofotes, destacando nesta sessão os números de Usiminas, Localiza, Ecorodovias, Fleury, entre outros.

No exterior, Wall Street tinha uma sessão negativa, em meio à repercussão do balanço trimestral da Amazon.com, enquanto dados mostraram forte aumento nos gastos do consumidor norte-americano em junho.

Os índices Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq Composite registravam quedas de 0,29%, 0,19% e 0,58%, respectivamente.

No câmbio, o dólar subia 0,78%, cotado em R$ 5,1190, em dia de negociações voláteis devido ao fechamento da Ptax de fim de mês, enquanto as expectativas dos investidores se concentravam na próxima reunião de política monetária do Banco Central do Brasil, na próxima semana.


Exxon supera estimativas com maior lucro trimestral em um ano

A ExxonMobil divulgou nesta sexta-feira (30) o seu maior lucro trimestral em mais de um ano, que também superou as estimativas dos analistas, já que a demanda por petróleo, gás e produtos químicos se recuperou, suprimindo algumas preocupações dos investidores sobre seu recente desempenho fraco.

Os primeiros resultados da empresa após uma disputa no conselho sobre sua direção destacaram como os produtores de petróleo estão aproveitando a recuperação dos preços do petróleo para cortar dívidas e aumentar o pagamento dos acionistas, em vez de gastar mais para aumentar a produção.

A Exxon disse que seus gastos de capital em 2021 deverão ficar no limite inferior da faixa anteriormente prevista de US$ 16 bilhões a US$ 19 bilhões.

"O impulso positivo continuou durante o segundo trimestre em todos os nossos negócios, à medida que a recuperação econômica global aumentou a demanda por nossos produtos", disse Darren Woods, presidente-executivo da empresa, em um comunicado.

Os resultados seguem a rival Chevron que cortou seu orçamento para 2021 nesta sexta, embora ambos os principais produtores dos Estados Unidos esperem maiores gastos no segundo semestre do ano, à medida que retomam os investimentos em projetos importantes, incluindo a prolífica Bacia de Permian.

Analistas da Tudor Pickering Holt & Co caracterizaram os resultados da Exxon como "sólidos" e disseram que estavam procurando mais detalhes sobre os planos da empresa para devolver dinheiro aos acionistas.


A Exxon lucrou US$ 1,10 por ação no segundo trimestre, acima da estimativa média de analistas de US$ 0,99, segundo dados Refinitiv IBES.

O lucro líquido da empresa no segundo trimestre foi de US$ 4,69 bilhões, em comparação com um prejuízo de US$ 1,08 bilhão um ano antes, o que havia incluído um ganho relacionado a uma reversão de uma baixa contábil. Sem a mudança, a perda teria sido de US$ 3 bilhões.

(Reuters)

UE multa Amazon em 746 milhões de euros em caso sobre privacidade de dados

A Amazon.com foi multada em 746 milhões de euros (R$ 4,4 bilhões) pela União Europeia por processar dados pessoais em violação ao Regulamento Geral de Proteção de Dados do bloco de países (GDPR), afirmou a empresa nesta sexta-feira (30).


A Comissão Nacional de Proteção de Dados de Luxemburgo (CNPD) impôs a multa à Amazon Europe Core em uma decisão de 16 de julho, conforme divulgou a empresa.

"Acreditamos que a decisão da CNPD não tenha mérito e pretendemos nos defender vigorosamente nessa questão", afirmou a Amazon.

O GDPR exige que as empresas busquem o consentimento das pessoas antes de usarem seus dados pessoais sob pena de multas pesadas.

(Reuters)

Lucro da Chevron supera expectativas; empresa vai retomar recompra de ações

A petroleira Chevron reportou nesta sexta-feira (30) o seu maior lucro em seis trimestres e se juntou a uma série de companhias do setor a recompensar investidores com recompras de ações, uma vez que a recuperação nos preços do petróleo levou os ganhos e o fluxo de caixa da empresa a níveis pré-pandemia.

Petróleo e gás têm sido negociados perto de máximas de vários anos, com os combustíveis recuperando perdas registradas em meio à pandemia e o gás natural disparando devido à demanda climática. Além disso, a decisão da Opep de estender cortes de produção até o ano que vem manteve o preço do petróleo acima dos US$ 70 por barril.


A companhia também reduziu sua estimativa para os gastos de capital neste ano para cerca de US$ 13 bilhões, abaixo do patamar visto no ano passado. Antes, a empresa projetava orçamento de US$ 14 bilhões a US$ 16 bilhões por ano em gastos de capital e para exploração até 2025.

No ano passado, a Chevron cortou gastos para permitir que os lucros fluíssem acima de US$ 50 por barril. Os custos mais baixos e os preços mais altos geraram o maior fluxo de caixa em dois anos, permitindo à empresa reduzir sua dívida e retomar recompras de ações, segundo a administração.

As recompras de ações serão retomadas neste trimestre, com ritmo anual visto entre US$ 2 bilhões e US$ 3 bilhões –cerca de metade do planejado anteriormente–, disse o presidente-executivo da empresa, Michael Wirth.

A empresa havia interrompido as recompras no início do ano passado, quando a pandemia fez com que a demanda por petróleo despencasse.

"Sempre dissemos que começaríamos as recompras quando estivéssemos confiantes de que poderíamos sustentá-las. Nosso ponto de equilíbrio é de US$ 50 por barril, e agora estamos bem acima disso", afirmou à Reuters o diretor financeiro da Chevron, Pierre Breber.

"Estamos tentando reconquistar investidores... A demanda por nossos produtos se recuperou totalmente, e a demanda por nossos estoques está se recuperando", acrescentou.

O lucro ajustado da empresa, de US$ 1,71 por ação, superou as estimativas de Wall Street, de US$ 1,59 por ação, segundo dados da Refinitiv IBES.

(Reuters)

Ecorodovias tem lucro líquido de R$127 mi no 2º tri

A administradora de concessões de infraestrutura Ecorodovias informou nesta quinta-feira que teve lucro líquido de R$ 127,4 milhões no segundo trimestre, um aumento de 260,8% em relação ao de um ano antes.

Já o resultado operacional da companhia medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (também conhecido pelo mercado como Ebitda) de abril a junho somou R$ 570,5 milhões, alta ano a ano de 32,6%.


Presidente da Enel diz que pode ser 'boa ideia' abrir capital da empresa no Brasil

O presidente-executivo da Enel, Francesco Starace, afirmou nesta quinta-feira (29) que um IPO (oferta pública inicial de ações) de unidade da empresa no Brasil pode ser uma "boa ideia", porém ainda é necessário discutir o assunto com os acionistas.


A declaração foi dada em teleconferência para comentar resultados financeiros da empresa.

Ele ressaltou que no segundo trimestre deste ano, o desempenho global do grupo viu uma aceleração sólida, levando os principais valores operacionais de volta aos níveis pré-Covid.

(Reuters)

Samsung tem alta no lucro no 2º trimestre, vê forte demanda de chips

A Samsung Electronics estimou nesta quinta-feira (29) uma forte demanda por chips de memória no segundo semestre e uma recuperação no mercado de celulares para os níveis de 2019, em um sinal de que a economia global está voltando aos trilhos após a pandemia de coronavírus.

A maior fabricante mundial de chips de memória e smartphones registrou um salto de 54% no lucro operacional no segundo trimestre, seu resultado mais forte em mais de dois anos, apoiado em altos preços dos chips e demanda acima do esperado.

"Para o segundo semestre, as condições de mercado devem ser favoráveis para o negócio de componentes", disse a Samsung em um comunicado. "A demanda de (chips de) memória provavelmente será impulsionada pelo lançamento de novos modelos de smartphones, com disponibilidade 5G mais ampla impulsionando o crescimento."


A empresa alertou que a escassez global de chips sem memória ainda representa um risco para as previsões, enquanto as incertezas relacionadas à Covid-19 e as tensões geopolíticas provavelmente persistirão.

A escassez mundial de semicondutores além dos chips de memória está se tornando um problema fundamental para os fabricantes de smartphones, que se preparam para o lançamento de novos produtos no segundo semestre do ano.

O negócio de fabricação de chips da Samsung, que fabrica esses chips, registrou receita recorde no segundo trimestre.

O lucro operacional da Samsung no trimestre de abril a junho de 12,6 trilhões de wones (R$ 55,4 bilhões) foi o melhor resultado da empresa desde o terceiro trimestre de 2018.

(Reuters)

Lucro da Ambev atinge R$ 2,9 bilhões no 2º tri com volume recorde e crédito fiscal

A Ambev teve lucro líquido de R$ 2,93 bilhões no segundo trimestre, alta de 130,4% em relação ao mesmo período do ano anterior, atingindo os maiores volumes consolidados já registrados para um período de abril a junho.

Além disso, o resultado do trimestre foi positivamente impactados por R$ 1,6 bilhão em créditos tributários relacionados à decisão do STF que declarou inconstitucional a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e Cofins.

Em termos ajustados, o lucro também mais do que dobrou, para R$ 2,96 bilhões.

De acordo com dados divulgados nesta quinta-feira (29) pela fabricante de bebidas, os volumes registraram um crescimento orgânico de 19%, para quase 39,8 milhões de hectolitros, enquanto a receita líquida subiu 36,2%, a R$ 11,6 bilhões.

O custo do produto vendido por hectolitro aumentou 15,7%, afetado pelo comportamento da taxa de câmbio e commodities. As despesas com vendas, gerais e administrativas cresceram 35,6%, afetadas por acréscimos de remuneração variável, despesas de distribuição e investimentos em vendas e marketing.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado totalizou quase R$ 5,3 bilhões, uma expansão orgânica de 24%, mas com a margem caindo 2,6 pontos percentuais, para 33,7%.


No segmento Cerveja Brasil, houve crescimento orgânico de 12,7% nos volumes, para 20,2 milhões de hectolitros, com expansão de 25,8% na receita líquida.

O Ebitda ajustado do negócio, porém, caiu 12,8%, com a Ambev atrelando o desempenho ao aumento da taxa de câmbio transacional e commodities, além de provisões de remuneração variável, custos de distribuição mais altos e investimento em vendas e marketing.

Na América Central e no Caribe, houve alta de 62,7% nos volumes, assim como na América Latina, que registrou expansão de 26,8%, enquanto Canadá apurou declínio de 0,9%.

(Reuters)

Com informações do site: FOLHA AO VIVO