terça-feira, 4 de maio de 2021

Foi aprovado o novo programa Bolsa do Povo que vai pagar R$ 500 para as famílias de vulnerabilidade.


 
Foto: Reprodução

A proposta criada pelo governador do Estado de São Paulo, João Doria (PSDB) foi aprovada na última quinta-feira, 29, pela Assembleia Legislativa de São Paulo. A medida é sobre o programa de assistência social Bolsa do Povo. 



A Bolsa do Povo prevê a provisão de recursos no valor de R$ 500 por pessoa por meio da unificação de benefícios e projetos existentes, que são promovidos pelo Executivo paulista.



A expectativa é ajudar aproximadamente 500 mil paulistas direta ou indiretamente. Os beneficiários dos programas atuais, bem como mães e pais dos alunos, terão direito ao valor. 


Na ocasião, o governador declarou que um dos programas que integrarão essa medida é a Ação da Juventude, voltada para estudantes de 15 a 24 anos.
Assim como a Renda cidadã, que é apreciada, visa proporcionar aos cidadãos de baixa renda um benefício de até R$ 100. 



Também pode haver a contratação de cerca de 20 mil a mais e pais de alunos matriculados na rede estadual de ensino, a fim de auxiliar no retorno às aulas antes do pagamento de R$ 500 por quatro horas diárias.

Vale ressaltar que a proposta visa auxiliar a população na condição de vulnerabilidade social além do estado de calamidade pública decorrente da pandemia Covid-19.



Ou seja, esta não é uma medida específica a ser vigente apenas este ano, embora o período em questão, 2021/2022, seja capaz de possibilitar fatores específicos para efetivar o programa. 



O Governo do Estado de São Paulo fará um investimento na margem de R$ 1 bilhão apenas para viabilizar a Bolsa do Povo em 2021.
Desse montante, cerca de R$ 400 milhões são provenientes da abertura de crédito especial de diversas pastas, incluindo desenvolvimento econômico e educação, além do Centro Paula Souza.

Se o programa for aprovado, o governo estadual poderá publicar decretos regulamentando os critérios de seleção de beneficiários, municípios e organizações não governamentais parceiras, além da associação de pais e mestres do poder legislativo.



Essas também são vistas como alternativas para apoiar o programa com recursos próprios, aumentando o número de beneficiários. 



O texto disponível na Bolsa do Povo, reforça que a preferência pelo pagamento do benefício será dada às mulheres. Agora, o programa aguarda a votação em sessão extraordinária que ainda será agendada. 




Como mencionado, o programa será efetuado através da unificação de alguns outros projetos existentes.
Eles são:



Bolsa-auxílio - emprego;
Bolsa renda cidadã - assistência social;
Bolsa de Renda Social - habitação;
Bolsa de Talentos Esportivos - incentivo;
Bolsa de Assistência rápida - qualificação profissional; 
Ação juvenil e contratação de pais de alunos - educação.

Com informações do site:  redebrasilnews