quarta-feira, 12 de maio de 2021

Após volta do auxílio emergencial em 2021, aprovação de Bolsonaro cresce


 


O auxílio emergencial exerce crescimento na aprovação do governo Bolsonaro. Após o retorno do pagamento no mês passado, o atual presidente da república teve aumento na aprovação e diminuição na desaprovação.

No próximo ano será a eleição presidencial. Diante disso, os possíveis candidatos já começaram a articular a campanha. O atual presidente da república tentará a reeleição e terá que enfrentar o ex-presidente Lula e ex-juiz Sérgio Moro.
Diante disso, a aprovação da atual gestão não parece está tão positiva. Porém, com o retorno do auxílio emergencial o número de brasileiros que estão satisfeitos com a gestão de Bolsonaro voltou a subir.

No ano passado, o presidente tinha conseguido um bom retorno da população com a criação de programas que visavam ajudar no enfrentamento da pandemia de Covid-19. Porém, com o fim dos mesmos em dezembro de 2020 a aprovação voltou a cair.

No mês de março, 35% das pessoas pesquisadas pelo El País aprovavam a gestão de Jair Bolsonaro. Para piorar a situação do atual chefe do Executivo e candidato a reeleição 60% desaprovava o governo.
No mês passado, o auxílio emergencial foi retornado, após pressão dos parlamentares. Com isso, mais de 40 milhões de brasileiros voltaram a receber a ajuda financeira. Desse quantitativo, 10 milhões fazem parte do Bolsa Família.

Após essa medida, uma nova pesquisa feira pelo El País mostrou mudanças na aprovação do atual governo. Com isso, no mês de abril, 57% desaprovavam a gestão de Bolsonaro. Dessa maneira, houve um declínio de 3 pontos.

A aprovação foi o que mais teve aumento, passando de 35% para 40%. Com isso, o presidente subiu cinco pontos. Esses números têm preocupado os outros candidatos a cadeira presidencial de 2022.

O El País também realizou uma pesquisa de votos nas eleições do próximo ano. Para a entrevista foram considerados 12 candidatos. A disputa do primeiro turno fica entre Jair Bolsonaro (sem partido) com 37 pontos e Lula (PT) com 33.2 pontos.

Os demais candidatos não chegam a 6 pontos nas intenções de votos. Dessa maneira, a disputa seria levada apara o segundo turno entre o ex-presidente da república e o atual. De acordo com a pesquisa, nesse cenário, Lula venceria com uma diferença de 4.7 pontos.

Com informações do site:  fdr