domingo, 18 de abril de 2021

Novo prazo para contestar auxílio emergencial 2021; passo a passo aqui!


 
Foto: Reprodução
Os beneficiários do auxílio emergencial que não tiveram acesso a essa nova rodada de pagamento do auxílio emergencial, podem fazer a contestação da decisão. A informação veio do Ministério da Cidadania. 

A princípio, a data final de contestação seria 12 de abril, mas foi prorrogado. Agora, as pessoas têm até a próxima quinta-feira, dia 22 de abril, para realizar a contestação.

Antes de realizar essa contestação o trabalhador precisa confirmar se realmente o seu benefício foi negado.

O pagamento começou a ser realizado no dia 6 de abril, o calendário continuará seguindo o mês de nascimento do beneficiário. Essa nova rodada deve contemplar cerca de 40 milhões de pessoas entre abril e agosto 

Os beneficiários do programa Bolsa Família começaram a receber a nova rodada do auxílio emergencial no dia 16 de abril, seguindo o calendário do programa, como foi feito na primeira rodada de pagamento. 

Como fazer a consulta da aprovação do auxílio emergencial?

Essa consulta está disponível por meio do site da Dataprev: https://consultaauxilio.cidadania.gov.br.

Após isso, informe o número do seu CPF, nome completo, nome da sua mãe e data de nascimento.

Caso tenha o benefício negado é preciso verificar se é uma das situações que permitem a contestação.

Assim, a página terá um ícone “Solicitar contestação”, informando o motivo da negativa.

Após clicar neste botão, aparecerá a pergunta se o beneficiário deseja mesmo apresentar a contestação e ao confirmar, a contestação será enviada para avaliação da Dataprev.

Valor das parcelas

O valor do benefício será de R$ 250 e vai variar de R$ 150 a R$ 375 segundo o perfil do beneficiário e a composição de cada família.

Famílias vão receber R$ 250;
Uma família monoparental, dirigida por uma mulher, vai receber R$ 375;
Pessoas que moram sozinhas vão receber R$ 150.

Quem vai receber?

De acordo com as novas regras, o auxílio só será pago a famílias com renda total de até três salários mínimos por mês, desde que a renda por pessoa seja inferior a meio salário mínimo. O governo informou que  o benefício deverá ser pago a 45,6 milhões de famílias.

Aqueles que são beneficiários do Bolsa Família, continuam com a  regra do valor mais vantajoso. A pessoa receberá o benefício com maior valor, seja a parcela paga no âmbito do programa, seja o valor do Auxílio Emergencial.

Com informações do site: FDR