segunda-feira, 26 de abril de 2021

Auxílio emergencial não caiu no Bolsa Família? Saiba o que fazer


 
Foto: Reprodução

Se você faz parte do Bolsa Família e não recebeu o auxílio emergencial de R$ 150, R$ 250 ou R$ 375, pode haver diferentes motivos. Por isso, é válido conferir as regras e o calendário do benefício, bem como a forma de contestar. A partir disso, pode-se verificar o que fazer na situação em que o auxílio emergencial não caiu no Bolsa Família.

A nova rodada do auxílio emergencial deve beneficiar cerca de 45,6 milhões de famílias. Fazem parte desse grupo, os cidadãos que pegaram o beneficio no ano passado e atendem as regras da edição atual. Em relação ao pagamento do auxílio emergencial para quem é do Bolsa Família, o valor total deve ficar em R$ 2,98 bilhões no mês de abril.

Quem recebe o Bolsa Família vai receber o auxílio emergencial?

Pessoas beneficiadas pelo Bolsa Família podem receber o auxílio emergencial de 2021, assim como receberam no ano passado. No entanto, o benefício não será concedido a todas as famílias do programa, por isso pode acontecer de o auxílio emergencial não cair no Bolsa Família.

Para receber o auxílio emergencial, é necessário que o valor do Bolsa Família seja menor que o do auxílio. Então, as famílias que recebem benefícios maiores não farão parte da nova rodada do auxílio emergencial.

O valor do auxílio emergencial varia de acordo com a composição da família, podendo ser de R$ 150, R$ 250 ou R$ 375. Confira:

Famílias em geral, ou seja, que tem mais de uma pessoa e não são chefiadas por mulheres: recebem parcelas de R$ 250;
Família monoparental, chefiada por uma mulher: recebe parcelas de R$ 375;
Pessoas que moram sozinhas: recebem parcelas de R$ 150.

Porque o auxílio emergencial não caiu na conta do Bolsa Família?

Sendo assim, na situação em que o auxílio emergencial não caiu no Bolsa Família, o motivo pode ser que a família não tinha direito, por receber um benefício maior no programa de transferência direta de renda. O cidadão deve receber o benefício mais vantajoso.

Além disso, a família também deve cumprir os critérios do auxílio emergencial. Não pode receber o dinheiro, por exemplo, quem tem emprego de carteira assinada.
Assim como, quem recebe benefício previdenciário, assistencial ou trabalhista ou de programa de transferência de renda federal, com exceção do abono salarial e Bolsa Família.

Outra regra do benefício é que apenas uma pessoa da família pode receber o auxílio emergencial, o qual é feito em nome do responsável familiar indicado no Cadastro Único.

O que fazer na situação em que o auxílio emergencial não caiu no Bolsa Família?
Caso não concorde com o fato de que auxílio emergencial não caiu no Bolsa Família, o cidadão pode fazer uma contestação online.

Os integrantes do Bolsa Família têm até o dia 1º de maio para contestar a negativa do auxílio. Para isso, devem acessar o Portal de Consultas da Dataprev. Feito isso, deve-se preencher o formulário, informando CPF, nome completo, nome da mãe e data de nascimento.



Ao clicar em “Enviar”, o cidadão saberá se foi ou não incluído na nova rodada do auxílio emergencial. Em caso de negativa, pode clicar em “Solicitar contestação” para iniciar o pedido de revisão.

Qual o calendário de pagamentos?

Além de aprender como contestar a negativa do auxílio, também vale verificar o calendário de pagamentos para saber se o seu dia de receber o auxílio emergencial já chegou.

Os pagamentos ocorrem nas mesmas datas do cronograma regular do programa. Sendo assim, os beneficiários pegam o dinheiro nos últimos dez dias úteis de cada mês, sendo divididos de acordo com o final do Número de Identificação Social (NIS).

Quem é do Bolsa Família vai receber as quatro parcelas do auxílio emergencial de 2021 nos meses de abril, maio, junho e julho. Confira os prazos:

1ª parcela: pagamento entre os dias 16 e 30 de abril;
2ª parcela: pagamento entre os dias 18 e 31 de maio;
3ª parcela: pagamento entre os dias 17 e 30 de junho;
4ª parcela: pagamento entre os dias 19 e 30 de julho.

Como funciona o pagamento do benefício?

Ademais, o auxílio emergencial cai na conta em que se recebe o Bolsa Família. Podendo ser a poupança social digital, acessada pelo aplicativo Caixa Tem, ou outra conta de depósito do Bolsa Família.

Para conferir se o auxílio emergencial caiu no Bolsa Família, o beneficiário que recebe por meio de poupança social digital, pode acessar o aplicativo Caixa Tem, fazer login com CPF e senha e verificar o saldo disponível na parte superior da tela.
Na plataforma, o cidadão consegue ainda tirar extrato, para ver a movimentações anteriores. Também é possível fazer transferências e pagar boletos, bem como gerar código para saques sem cartão.

Nota-se que, durante o pagamento das quatro parcelas do auxílio, o benefício do Bolsa Família fica suspenso. Ao passo que, será restabelecido ao final do auxílio emergencial, caso a família continue atendendo os requisitos do programa. Nesse retorno, os integrantes não devem receber as parcelas que foram suspensas.

Com informações do site:  dci - Beatriz Oliveira