quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

Mercado financeiro tem reação inesperada após anúncio do novo auxílio emergencial


 
Foto: Reprodução

Uma possível volta do auxílio emergencial gerou um descontentamento em parte do mercado financeiro nesta terça, 9. O motivo é falta de uma definição a respeito da fonte de recursos para arcar com esta nova rodada de pagamentos. O dólar, risco-país e juros futuros registraram alta após Jair Bolsonaro afirmar na última segunda (8), que deve prorrogar o auxílio emergencial.

No domingo, 7, a imprensa destacou que o Ministério da Economia estava preparando uma proposta que liberaria três parcelas de R$200, para os trabalhadores informais que não recebem Bolsa Família.

Ontem, Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, disse que há muito pouco ou nenhum espaço para o auxílio sem que haja alguma contrapartida em decorrência da deterioração do quadro fiscal do Brasil.

“Dólar e taxas longas de juros ficam pressionados por conta do temor advindo do debate sobre o retorno do auxílio.
As contrapartidas desse novo auxílio ainda não foram apresentadas”, explica Simone Passianotto, economista-chefe da Reag Investimentos.

Por outro lado, os líderes das bancadas partidárias no Senado, pressionam para que o retorno do auxílio emergencial não seja atrelado a outras medidas compensatórias de ajuste fiscal.

Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o presidente da Casa, disse ontem, que deseja utilizar sua “boa relação” com o presidente Bolsonaro e com a equipe econômica para avançar nas negociações, encaminhando as propostas.

Durante o pregão, o dólar chegou a bater R$5,4470, porém perdeu ganhos após leilão de 20 mil contratos de swap cambial (U$$ 1 bilhão) realizado pelo Banco Central.

Esta foi a maior oferta de liquidez dos últimos nove meses realizada pelo Banco Central, feita em dois leilões. No primeiro, anunciado às 14h11, foram vendidos 14.300 contratos de uma oferta de até 20 mil contratos.

Após isto, as 14h57, o BC anunciou a segunda operação do dia, ofertando os 5.700 contratos restantes, que foram colocados na integra no mercado posteriormente.


Com informações do site:  FDR