quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

PixTinder: Pix é usado como aplicativo de paquera entre jovens


 
Foto: Reprodução
Que o brasileiro é criativo, isso todo mundo já sabe. Porém, isso não impede a surpresa com algumas invenções. Pode parecer quase impossível, mas jovens usuários do Pix conseguiram transformar a ferramenta de transferências e pagamentos instantâneos em um aplicativo de paquera. A ideia já ganhou até apelido, o “PixTinder”, em menção ao famoso app de relacionamentos.

“PixTinder” e “Pixssexuais” são assuntos do Twitter e Instagram
A brincadeira com o Pix ficou tão popular entre os jovens, que os usuários foram apelidados no Twitter. Assim, aqueles que usam o Pix como aplicativo de paquera são considerados “Pixssexuais”.

Além disso, no Instagram, as brincadeiras com o “PixTinder” ganham espaço. Isso porque surgiram diversas correntes relacionadas ao assunto.
Com as correntes, os usuários compartilham suas chaves e pedem depósitos por parte dos “crushes”.

Qual o conceito de flertar pelo Pix?
A primeira história a viralizar sobre o “PixTinder” foi há cerca de duas semanas. Uma garota, bloqueada em todas as redes sociais do ex-namorado, fez várias transações de R$ 0,01 para o ele com mensagens pedindo para reatar o relacionamento.
Isso é possível pois, junto com o dinheiro, o Pix permite o envio de mensagens, normalmente justificando o motivo da transferência.

Assim, após a história ganhar a internet, diversos jovens começaram a usar a estratégia de mandar transferências com valores simbólicos para os “crushes” com mensagens de flerte. Nas brincadeiras do Instagram, ainda, o próprio usuário compartilha sua chave do Pix e pede para os interessados “chamarem para conversar por lá”.

Riscos e alerta do Banco Central
Apesar de gerar diversão entre os jovens, o “PixTinder” tem um perigo: o compartilhamento de dados pessoais com desconhecidos, principalmente se divulgado em redes sociais abertas. O Banco Central ressalta que “o PIX é um meio de pagamento, não uma rede social”. Além disso, acrescenta que não há previsão legal para bloqueio de usuários específicos dentro do sistema.



Com informações do site: seucréditodigital