segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

Mudanças no Bolsa Família podem começar a valer este mês


 
Foto: Reprodução
No ano de 2020 em meio a uma pandemia, muito foi noticiado e evidenciado sobre um novo programa social que pudesse substituir o Bolsa Família, agregando um maior número de beneficiários e com valor maior.

Porém, sem a definição de um programa social, o presidente Jair Bolsonaro então decidiu contar com o Bolsa Família este ano. Contudo segundo especulações do governo o Bolsa Família deve ser ampliado este ano.

Mudanças
Diante de um cenário onde não foi possível desenvolver um programa social a tempo que pudesse valer para janeiro de 2021, com o fim do auxílio emergencial, dentre as ampliações do Bolsa Família está o aumento do orçamento do programa social que teve um acréscimo de 18% passando para R$ 34,8 bilhões este ano.

A pretensão inicial do governo é conseguir pagar R$ 200 aos beneficiários ou seja um aumento de R$ 8 comparado a média de valor que está em R$ 192.

Além do aumento no valor a ideia do governo é aumentar o programa social incluindo 300 mil famílias no Bolsa Família. Atualmente o programa tem em sua base 14,2 milhões de famílias que recebem a ajuda financeira.

Propostas
Além do novo valor e a inclusão de mais famílias no Bolsa Família, existem ainda algumas outras propostas sendo discutidas, entre elas:

Auxílio-creche mensal de R$ 52 por criança;
Prêmio anual de R$ 200 para os alunos com os melhores desempenhos;
Bolsa mensal de R$ 100, além de prêmio anual de R$ 1.000, para estudantes que se destacaram em ciência e tecnologia;
Bolsa mensal de R$ 100, além de prêmio anual de R$ 1.000, para alunos que obtiverem os melhores desempenhos em atividades desportivas;
Contudo algumas propostas geraram reações negativas, como o auxílio-creche no valor de R$ 52 por criança de até três anos.
A ideia do auxílio é ajudar no pagamento da creche particular em caso de não existir vaga nas públicas ou ajudar nas despesas geradas com o filho.

Porém o valor liberado é muito baixo com relação a média cobrada pelas creches particulares, o que acaba deixando esse auxílio defasado para as mães que necessitem que seus filhos fiquem em creches.

Com informações do site: Jornal Contábil