domingo, 13 de dezembro de 2020

Caixa cria banco digital com possibilidade de render R$ 50 bilhões


 
Foto: Reprodução
Com o advento da pandemia do novo corona vírus, o governo brasileiro precisou adotar medidas importantes a fim de diminuir impactos negativos relacionados a esse vírus. Os impactos chegaram, principalmente, a famílias de baixa renda, sendo o foco dos benefícios sociais.

Porém, analisando a situação por outro lado, vemos que a Caixa Econômica Federal utilizou esse cenário para perceber uma opção de negócio que pode render R$ 50 bilhões. Essa perspectiva possuiu um incentivo por conta do pagamento auxílio emergencial (benefício esse que ficou bastante conhecido recentemente).

O fato é que esse montante equivale a quase metade das ações, com a devida abertura de capital, que é de um banco digital, sendo justamente a pretensão da Caixa. Então, o patrimônio dessa instituição se originaria dos serviços que são ofertados através do aplicativo Caixa Tem.

O BANCO DIGITAL DA CAIXA
O banco digital ainda não tem um nome certo, porém já definido que o destino desse banco será para correntistas que possuem baixa renda.

O banco também estipulou que as movimentações serão limitadas para até R$ 5 mil ao mês, podendo concentrar os pagamentos dos benefícios criados pelo governo, e prestando alguns serviços financeiros, evitando então o deslocamento do beneficiário até a agência.

O NOVO BANCO JÁ É UMA CERTEZA?
No momento, este novo banco está passando por uma avaliação e aguardando a confirmação pelo Conselho de Administração, pedindo então a devida autorização para funcionar ao Banco central, com a certeza de que o seu controle será da Caixa.

O colegiado ainda discute, portanto, qual será o valor que a Caixa investirá em um primeiro momento para dar início a execução desse projeto. Apesar de ainda estar na etapa de confirmação, essa possibilidade é real e está cada vez mais próxima de ocorrer.

Alguns pontos precisarão ser resolvidos, como a garantia de uma estrutura tecnológica (que será imprescindível para um bom funcionamento do banco) assim como o deslocamento de equipes recrutadas.

Atualmente, o aplicativo Caixa Tem está usufruindo da tecnologia oferecida pelo banco estatal, possuindo em média 100 funcionários da instituição para que o projeto ocorra da melhor forma possível.

A expectativa da Caixa é que todo o trâmite legal, como a aprovação do funcionamento, seja resolvido até o final do primeiro trimestre do ano 2021. Porém, todas as etapas referentes ao funcionamento interno do banco devem estar sendo finalizadas até o fim de 2020.

POR QUE O VALOR ESTIMADO É TÃO ALTO?
O banco digital da Caixa Econômica Federal se diferencia de outras fintechs concorrentes a partir do momento em que ela já possui um funcionamento atual, e não por conta do seu “peso” no nome, então é justificável que o valor estimado seja de R$ 100 bilhões.

As pessoas com envolvimento direto nesse projeto já confirmam a presença de mais de 50 milhões de correntistas que realizam operações financeiras das mais diversas naturezas. Portanto, essa movimentação é o que faz com que um fluxo seja mantido em relação aos serviços do aplicativo.

A criação desse banco digital foi uma ideia do presidente da Caixa, Pedro Guimarães, logo no começo da pandemia, no período em que o governo tinha como plano ajudar, financeiramente, aqueles que provassem a perda de renda (em detrimento do isolamento social).

E a decisão do governo (do Presidente da República, juntamente com o Ministro da Economia) de editar a medida provisória dispondo sobre a abertura de contas digital sem a necessidade de autorização do titular com certeza foi um incentivo.

No mês de abril, essa medida provisória se tornou lei e então a Caixa registrou mais 18 milhões de contas digitais, representando um impacto positivo para o projeto.

Com informações do site: O Petróleo, André Carvalho