quarta-feira, 11 de novembro de 2020

Candidato a prefeito promete criação do ‘Auxílio Emergencial’ municipal: ‘Vamos garantir seis meses’




“Válvula de escape” de milhares de brasileiros por conta crise instaurada em razão da pandemia do coronavírus, o Auxílio Emergencial tem sido responsável por movimentar a economia nacional nos últimos meses. Apesar do benefício estar previsto para ter pagamentos efetuados até dezembro, há quem já se movimente para garantir o programa por mais alguns meses, de forma local.

Ao menos foi o que indicou o candidato à Prefeitura de Natal, Hermano Morais, do PSB. Em entrevista à Jovem Pan News Natal, o político prometeu que, se eleito, fará com que a capital do Rio Grande do Norte adote um sistema para continuar pagando o Auxílio Emergencial para os mais pobres por mais seis meses.

“Nós vamos garantir, fazendo um esforço da Prefeitura, por seis meses o Auxílio Emergencial. Esses R$ 600 que hoje atendem a mais de 48 mil famílias e que significam R$ 28,8 milhões/mês. Nós vamos fazer isso porque, além de auxiliar essas pessoas que estão em situação precária, desempregados, precisamos sustentar a própria atividade econômica”, pontuou Hermano Morais.

Segundo o candidato, os recursos para custear essa extensão local do benefício viria de cortes em outras áreas, com um enxugamento. O município conta com 27 secretarias, o que não visão de Hermano é desnecessário. 

Nível nacional

Embora tenha sido cogitado em algumas oportunidades uma possível nova prorrogação do estado de calamidade, que possibilitaria consequentemente uma extensão do Auxílio Emergencial, o governo federal por meio do ministro da Economia, Paulo Guedes, e presidente Jair Bolsonaro, já rechaçaram a possibilidade do programa continuar em 2021.

Em contrapartida, vários parlamentares continuam na esperança de conseguir a prorrogação do benefício tendo como fator aliado a indefinição do governo na aprovação do Renda Brasil, programa que substituirá o Bolsa Família.


Com informações do site i7news, Cido Vieira