sexta-feira, 20 de novembro de 2020

Aposentado na BA tem auxílio emergencial cortado sem explicação: 'Minha sobrevivência é o bolsa família'


 
Foto: Reprodução/Tv Subaé
Um motoboy aposentado morador de Feira de Santana, cidade a cerca de 100 km de Salvador, teve o auxílio emergencial do Governo Federal. Ele disse que apesar do corte do benefício, não recebeu nenhuma explicação ou comunicado.

Há 6 anos, Valter de Sena sofreu um acidente e quebrou o fêmur e, por causa disso, ele ficou impossibilitado de trabalhar. Por causa da situação, ele começou a receber um benefício do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), mas, dois anos depois, foi suspenso.

"Em 2017, foi cortado [benefício do INSS], eu fui lá e foi negado o benefício. Fui até o Ministério Público e ficou em andamento. Eu estou aguardando o andamento sobre esse benefício que foi cortado. A minha sobrevivência é o bolsa família, que está me dando agora R$ 91", disse o aposentado.
Este ano, por causa da pandemia da Covid-19, o auxílio emergencial passou a ser a única renda de Valter. Depois de ter recebido cinco parcelas, o auxílio também foi cortado sem explicação.

"No mês de agosto, no dia 30, também já não recebi mais. Falou que ia ficar em análise e está até hoje, a Caixa não me dá resposta, fui bloqueado. Fui duas vezes na Caixa Econômica Federal e ela não me dá resposta de jeito nenhum, manda ligar para o 121, ligo e não tem resposta nenhuma", contou seu Valter.

Com os benefícios cortados, o homem sobrevive apenas com os R$ 91 reais e também com a ajuda da família. "Paguei o INSS, paguei trabalhando, paguei por fora e não tive respaldo de nada", relatou o aposentado.

A produção da TV Subaé entrou em contato com o Ministério da Economia e a Defensoria Pública da União (DPU) mas, até a publicação desta reportagem, não obteve retorno.

O G1 entrou em contato com a Caixa Econômica Federal sobre o atendimento ao aposentado e aguarda retorno.

Com informações do site: G1