terça-feira, 7 de julho de 2020

Para novo Renda Brasil, PIS/Pasep pode chegar ao fim, confira aqui! |EmpregabilidadeBrasil..com



Para novo Renda Brasil, PIS/Pasep pode chegar ao fim, confira aqui! |EmpregabilidadeBrasil..com
O abono salarial do PIS/PASEP, pago anualmente aos trabalhadores que recebem remuneração de até dois salários mínimos, é para os cidadãos que têm o registro em carteira.

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, citou o total de gastos sociais do país e incluindo as despesas com saúde, educação e previdência. Na ocasião, ele defendeu o fim do abono salarial PIS/PASEP. A entrevista foi concedida ao UOL.

O abono salarial do PIS/PASEP, pago anualmente aos trabalhadores que recebem remuneração de até dois salários mínimos, é para os cidadãos que têm o registro em carteira. Atualmente o valor pago é de até R$ 1.045,00. Ele é voltado para funcionários de empresas privadas (PIS) e da iniciativa pública (Pasep).

“A gente tem programas que são pouco distributivos, como por exemplo o abono salarial. O abono salarial é quase um 14º salário para quem ganha até dois salários mínimos, e esse é o problema, ele não é focado [nos mais pobres] como os demais programas”, disse.

Ademais, o secretário disse sobre isenções fiscais a produtos que fazem parte da cesta básica, que beneficiam aqueles que não precisam.

“Se eu compro um produto da cesta básica, eu tenho acesso a um benefício ao qual eu não deveria ter direito, só uma pessoa de baixa renda. Por que tenho acesso a isso? Era melhor o governo [usar] o dinheiro que gasta com o subsídio da cesta básica e transformar esse dinheiro em benefício para as pessoas vulneráveis”, revelou.

O secretário fez elogios ao Bolsa Família, programa de transferência de renda aos brasileiros que estão em pobreza ou extrema pobreza. Segundo ele, o programa consegue ser eficaz sobre a distribuição de renda. E pede mais investimento na área.

“A gente tem um programa distributivo muito bom que é o Bolsa Família. A gente poderia ter um debate aberto com o Congresso para tentar realocar parte do que se chama social para o Bolsa Família“, afirmou.

“Como é que a gente muda a composição desse gasto para programas que são mais distributivos, que ajudam mais as pessoas de baixa renda e as pessoas pobres? Eu acho que esse debate é muito importante e tem que acontecer.”, elogiou.

Fim do PIS/PASEP
Além do secretário, o ministro da economia, Paulo Guedes, também defendeu o término do programa.

Segundo Guedes, o pagamento do benefício conta com pessoas de classe média. O único critério de renda para cadastrar novos inscritos é ganhar até dois salários mínimos. Ou seja, o benefício abre brecha para inclusão de filhos de pessoas mais ricas que estão começando sua carreira.